Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

28 de jan de 2012

Use Case 2.0: Você precisa dele?

Por: Paulo Vasconcellos


Ivar Jacobson liberou, em dezembro 2011, um pequeno livro eletrônico chamado Use Case 2.0: The Definitive Guide. Como ele mesmo alerta, não se trata de uma atualização da ferramenta. Afinal, “casos de uso ainda são casos de uso”. Mas o texto propõe alguns novos elementos – novos artefatos de trabalho. Este artigo pretende avaliar as principais alterações sugeridas comparando-as com alternativas já conhecidas.
A
pesar de toda a má fama que a acompanha, a ferramenta Caso de Uso continua sendo apresentada por muitos, inclusive este que vos escreve, como a mais eficaz no apoio às atividades de “descoberta e descrição dos requisitos funcionais de um sistema”. Os mal ditos sobre os casos de uso têm origem bem identificada. Em dado momento, entre o final dos anos 1990 e início do novo século, tentaram sofisticar demais a ferramenta. Modelos rebuscados e divisões artificiais e redundantes (fluxo disso, fluxo daquilo…) deram enorme contribuição. A gota d’água veio daquela parte da população que tem preguiça de pensar e adora templates repletos de badulaques. Pronto, estava criada a fama – justíssima, dados os casos criados – de que casos de uso eram muito complicados, de difícil elaboração pelos analistas, incompreensíveis para os usuários, detestados e consequentemente ignorados pelos desenvolvedores e distantes demais dos testers (provavelmente os únicos que, se tivessem a chance, talvez gostassem daquilo. Porque era melhor que nada!)

O advento do Manifesto Ágil quase nos fez crer que Caso de Uso era coisa do século passado. Mas o que seria do mundo se não fossem os teimosos? Alistair Cockburn nunca abandonou os casos. Nem Ivar Jacobson, o pai da criança que agora nos apresenta essa releitura (escrita a seis mãos com Ian Spence e Kurt Bittner, autores de “Use Case Modeling” – Addison-Wesley, 2002).
O que ela traz de novo a ponto de merecer o “2.0″? Antes disso, qual a motivação para uma nova versão?

Os autores defendem que o Caso de Uso 2.0 é: Leve, Escalável, Versátil e Fácil de usar. Fica implícita a intenção de oferecer a versão remoçada da ferramenta como alternativa para as User Stories. Apesar de ilustrarem sua utilização até em um processo baseado no modelo waterfall. A falta de um comparativo entreUser Stories e Casos de Uso, a exemplo do que fizeram James Coplien e Gertrud Bjørnvig em Lean Architecture (Wiley, 2010), reduz o impacto da proposta. Mas, afinal, qual é a proposta?
Jacobson reforça uma mensagem que já apresentava em seus tempos de Rational¹: ”casos de uso são a cola de todo o ciclo de vida do processo [de desenvolvimento]“. Ou seja, eles “suportam a análise, projeto, planejamento, estimativas, acompanhamento e testes de sistemas”, além da captura de requisitos, é claro.
Um mapa conceitual nos ajuda a entender todos os elementos da proposta e as relações entre eles. Peço desculpas pela redundância mas vou reescrever as partes que representam as maiores alterações (e, tentarei mostrar, os problemas da proposta).
Os interessados (stakeholders): i) são as fontes dos Requisitos; ii) estão envolvidos [na elaboração] e priorizam Casos de Uso; e iii) se comunicam contando Histórias.
Até aqui tudo bem, até porque o mapa informa que: iv) Requisitos são capturados na forma de Casos de Uso.  Agora, como falamos aqui no interior, a porca torce o rabo (e a proposta se enrola). Porque é colocado que: v) Casos de Uso são explorados através da narração de Histórias; e vi) seu escopo é gerenciado e endereçado como um conjunto de Fatias de Caso de Uso (Use-Case Slice); que, por sua vez, vii) são identificadas (ou têm sua identificação facilitada) pelas Histórias.
Essas histórias, a princípio, não têm nada a ver com as conhecidas User Stories(não citadas no e-book). Mas é impossível não perceber a intenção de fazer com que elas sejam elaboradas e tratadas da mesmíssima maneira proposta por Kent Beck (em “Extreme Programming Explained” – Addison-Wesley, 1999) e amadurecida por Mike Cohn (“User Stories Applied” – Addison-Wesley, 2004). Uma História, segundo os autores, pode ser qualquer coisa: requisito funcional ou não funcional, um trecho ou fluxo(s) do Caso de Uso, um requisito especial (?) ou ainda um caso de teste. E elas, genéricas (e versáteis assim), ajudariam na identificação de Fatias de Casos de Uso.
Essas Fatias, apresentadas como “o elemento mais importante do Caso de Uso 2.0″, justificariam-se porque, segundo os autores, “precisamos de uma maneira de dividir casos de uso em conjuntos menores”. Li e reli o documento e continuo não acreditando que o próprio cara que inventou a ferramenta e seus naturais mecanismos de quebra (extensão) e organização esteja propondo tamanha confusão. Talvez meus neurônios não tenham percebido o fim das férias, sei lá. O fato é que a proposta, particularmente suas Histórias e Fatias, não parece fazer muito sentido.
Um Caso de Uso é uma maneira mais (ou menos) ESTRUTURADA² de se contar e registrar uma história, um causo. Ele sempre possui um Fluxo Principal (ou Básico), uma sequência natural de interação entre um Ator e um Sistema onde todos os passos são bem sucedidos. Todas as variações ou desvios desta sequência principal são capturados e registrados na forma de Fluxos Alternativos (ou Secundários). Está aqui o primeiro mecanismo natural de ‘quebra’ de um caso de uso. Considero-o natural porque ele reflete a forma do usuário pensar. Uma vez registrado o comportamento mais esperado, como Fluxo Principal, a história se desenrola, por exemplo, em uma sequência de “e se”: “e se o cliente não tiver crédito”, “e se não houver estoque disponível” etc³. Casos de uso são tremendamente eficazes na “descoberta e descrição de requisitos funcionais de um sistema” exatamente porque permitem que uma história seja narrada e estruturada da forma mais natural (e próxima do usuário) possível.
Por que, então, precisaríamos de outros mecanismos de quebra e organização? Para termos elementos ainda menores, que caibam em uma iteração de duas semanas ou em um post-it? Coplien e Bjørnvig, no capítulo 7 do livro citado acima, já haviam dado a receitinha: “qual é a diferença entre a lista de desvios (Fluxos Alternativos) e uma lista de requisitos, features ou User Stories? Quase nenhuma quando olhamos de perto. Podemos formular cada item da lista na forma de User Stories se isso faz com que a gente se sinta maisAgile“. Bem antes deles, no já distante ano 2000, Alistair Cockburn (em “Writing Effective Use Cases” – Addison-Wesley, 2000) já havia sugerido a derivação de uma Lista de Trabalho a partir de um Caso de Uso e seus diversos fluxos (Work List, págs. 172 – 174). Com itens que cabem perfeitamente em um post-it ou, falando mais sério, “cabem” em iterações (sprints) e facilitam o acompanhamento e gerenciamento de um product backlog ou algo parecido. Enfim, Casos de Uso nunca foram monolitos nem nunca levaram a uma situação “tudo ou nada”. Repito: nunca!

Casos de Uso também podem ser vistos ou utilizados como uma “cola que une todas as etapas de um processo de desenvolvimento” desde a criação da UML (1995-1997) e dos derivados do Processo Unificado (1998~). Não creio que serão as sugeridas Fatias que farão, agora, a mágica de viabilizar tal visão. Porque a verdade é que nós 
nunca
 (ou, para pegar um pouco mais leve) raramente utilizamos Casos de Uso em toda a sua plenitude. O faremos agora que ele ficou um pouquinho mais complicado?
Observações:
  1. Lê-se a primeira frase destacada na apresentação “Common Chalenges in Use Case Modeling”, de autoria de Ivar Jacobson e com logo da Rational Software (sem data de publicação).
  2. E é esta propriedade fundamental, o fato do Caso de Uso ser uma história ESTRUTURADA, sua principal diferença em relação a outras propostas, particularmente as User Stories. Um Caso de Uso, por natureza, é um conjunto de requisitos que faz todo o sentido para um usuário ou cliente. Um conjunto estruturado. Um conjunto que “entende” sua relação com os demais componentes da solução. Naturalmente.
  3. Destaquei o primeiro (Fluxos Alternativos) mas não cito acima os demais “mecanismos naturais de quebras” dos Casos de Uso. Porque aqui a porca torce o rabo de vez e, preciso admitir, alguns mecanismos não são tão naturais assim (Extends e Includes devem ter passado pela sua cabeça). Para não deixar o tema no limbo preciso dizer que Cenários (combinações de passos dos fluxos principal e alternativos) e Casos de Testes são derivados ou componentes de um Caso de Uso e representam outras formas de “quebra”. Serão mais ou menos naturais dependendo da forma como são elaborados.
  4. Slice of a Pumpkin Pie, foto que ilustra este artigo, é de autoria deTheCulinaryGeek.

Nenhum comentário:

Postar um comentário