Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

29 de fev de 2012

Cuidado ao matar moscas. Elefantes podem estar passando sem você ver

Por:  
Em: http://www.tiespecialistas.com.br/2012/02/cuidado-ao-matar-moscas-elefantes-podem-estar-passando-sem-voce-ver/


Gostaria inicialmente de agradecer a oportunidade em participar do grupo, compartilhando um pouco da minha experiência obtida ao longo desses anos. O tema que será abordado hoje está relacionado a gestão.

Um gestor vive seu dia a dia tomando decisões, acompanhando as tarefas, gerenciando sua equipe, enviando report para seus superiores, entre outros. Porém, um ponto muito importante que eu gostaria de abordar (que é vital para atingir os objetivos traçados), é como o gestor gerencia os problemas e imprevistos que surgem pelo caminho. Esses são fatores não previsíveis, simplesmente aparecem sem serem chamados (e muitas vezes chegam na pior hora).

Vamos separar os problemas em dois grupos: o grupo das moscas e o grupo dos elefantes. O grupo das moscas é conhecido por ser algo leve e facilmente resolvido. Você até consegue conviver com ela, embora aquele zunido no final lhe cause algum incômodo. O grupo dos elefantes (também conhecido como os famosos abacaxis ou pepinos) já é algo bem mais pesado, está claramente na sua frente, não se consegue fingir que não existe. Consequentemente requer maior habilidade (e muitas vezes experiência) por parte do gestor.

Primeiramente, o gestor precisa aprender a separar as moscas dos elefantes. Embora essa tarefa pareça ser a mais simples, muitos gestores têm dificuldades com isso. Quantas vezes vemos empregados insatisfeitos porque seus superiores não deram atenção a problemas graves por estarem ocupados com assuntos sem relevância? Esse é um aspecto importante, pois pode gerar descrédito junto a equipe.

Outro fator relevante que o gestor precisa ter ciência: uma mosca pode virar um elefante. Por não dar atenção a um problema relativamente simples de solução, a mosca pode passar por um processo de “mutação” e virar um elefante. Isso pode prejudicar a carreira do gestor, aparentando para os demais do grupo que ainda falta experiência para resolver questões simples.

Uma habilidade importante que o gestor também precisa ter é de identificar possíveis elefantes disfarçados de mosca. Isso requer certo feeling, pois alguns problemas que aparentemente são tranquilos de resolver trazem por trás algo muito mais grave. É como o exemplo de um vazamento, achamos que é algo muito simples de resolver, porém pode estar comprometendo toda a estrutura da casa. Só saberemos realmente se o problema é grave ou não perseverando até o fim.

Para aqueles que estão em nível de supervisão, é extremamente importante ter a característica de perseverança. Muitas vezes um supervisor fica no superficial, somente nas moscas, deixando a responsabilidade dos elefantes para o gerente. Quanto mais elefantes o supervisor resolve, mais ele está demonstrando que é capaz de alcançar cargos maiores na organização, além de servir como experiência para sua carreira.

A forma de matar as moscas e os elefantes também é muito importante, devemos ser eficazes (fazer da melhor forma). Por exemplo, pode-se matar uma mosca usando um inseticida ou dando um tiro de bazooka. As duas formas alcançarão o resultado esperado, porém a primeira opção foi eficaz, enquanto a segunda somente eficiente. Isso é vital nos dias de hoje, pois precisamos de uma equipe com alta performance.

Esteja sempre atento, busque matar todas as moscas eficazmente para garantir que nenhuma delas se torne um elefante. Entretanto, se o temido elefante surgir, saiba priorizar! Lembre-se: não conseguiremos atingir os objetivos por causa dos elefantes que surgem e não das moscas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário