Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

18 de fev de 2012

Iniciando um projeto de Business Intelligence – BI


Ao iniciar um novo projeto, as empresas precisam primeiro definir o escopo, suas reais necessidades, seus principais objetivos e mensurar um período de construção, implantação e adaptação para o seu funcionamento.
Não e difícil entrar em empresas e verificar que não foi feita nenhuma documentação, não foram analisados os cenários das diversas áreas que se pretende automatizar. A equipe responsável por essa tarefa precisa ser composta tanto por profissionais da área técnica quanto os que entendam de gestão, estatística, para poderem trabalhar com as áreas de vendas, compras, marketing, logística, financeira, recursos humanos, entre outras. Por isso alguns projetos já nascem fadados ao fracasso, pois alguns pensam que BI e simplesmente a elaboração e confecção de relatórios, os dados são pegos dos ERPs, ficheiros de Excel, arquivos txt, depois se executa o ETL – Extract Transform Load, e finalmente, com as ferramentas necessárias, geram os relatórios: AdHoc/Query Tool; Dashboards e KPIs; Data Mining; BPMs, CPMs ou EPMs; Ferramentas de Planejamento (Budgeting (Orçamento Periódico), Planning e Forecasting (previsão, estimativa, prognostico)).
Ferramentas com funções de DataMining e Budgeting, planning, forecasting são as menos usadas, em contrapartida, query, reporting e dashboards estão entre as que as empresas demonstram maior grau de insatisfação, mesmo sendo as mais utilizadas por elas, por não tratarem os dados de forma que forneçam padrões e auxiliem nas projeções e tomadas de decisões mais acertadas.
De acordo com um levantamento feito pela Pricewaterhousecoopers, apenas 25% das grandes empresas não possuem problemas significativos quanto à qualidade das informações.
Portanto, e preciso avaliar as necessidades da empresa, assim como o investimento que esta disposta a fazer, evitando retrabalho, e gastos desnecessários, pois num primeiro momento trabalhando com Dashboards e KPIs podem ser supridas algumas demandas, mas a médio ou longo prazo, dependendo do cenário de Vendas, por exemplo, será preciso fazer uma analise mais refinada, utilizando mineração de dados (Data Mining), Budgeting, Planning e Forecasting.
E preciso atentar para alguns erros que podem ocorrer no inicio de um projeto, com o uso de Dashboards, por exemplo, em que as áreas Comercial e Marketing têm necessidades diferentes, a primeira precisa de informações no que concerne a vendas, canais de distribuição, cross-selling (técnica de vendas em que o vendedor oferece outros produtos e serviços para um carteira de clientes específicos de um produto/serviço, procurando amplia-la, Estratégia de Segmentação), enquanto a segunda espera visualizar a penetração no mercado/segmentos, a eficácia das campanhas de marketing, analise do ciclo de vida do produto/serviço. Desenvolvendo os painéis sem nenhum parâmetro, em serie, pode ocorrer de duplicar, multiplicar informações, apresentar projeções desnecessárias, sobrecarregar o servidor, oferecendo condições redundantes a estratégia de negócios.
Por fim, para ter sucesso em qualquer empreendimento e preciso ter conhecimento suficiente para juntar dados, trata-los e transforma-los em informações claras, concisas, e necessárias as ao cenário empresarial envolvido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário