Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

8 de fev de 2012

O Conflito Interpessoal dos Membros nos Projetos de TI

Por: Flávio Horita
Em: http://www.tiespecialistas.com.br/2012/01/o-conflito-interpessoal-dos-membros-nos-projetos-de-ti/


Durante os últimos meses, tem sido cada vez mais comum encontrarmos artigos que comentam sobre a importância dos recursos humanos para o sucesso ou fracasso no desenvolvimento de um projeto de software(Melissa Adimari,  Rodrigo DistasioErik BertelliMelissa AdimariAlexandre FernandoRafael Meneses, são apenas alguns dos exemplos). Isso por que, muitos deles comprovam através de estudos de casos e relatos de experiências, que são estes recursos que gerem e fortalecem a inovação, que produzem, tomam decisões, lideram, motivam, comunicam, supervisionam, gerenciam e dirigem os negócios das organizações.

Neste contexto, um dos problemas que tem-se tornado cada vez mais comum é conflito interpessoalconsequente da necessidade em executar diversos papéis durante o desenvolvimento no projeto. Um mesmo membro atuando como desenvolvedores, testes e suporte. Minha experiência me faz crer que este é um problema mais comum em pequenas e médias empresas do que em grandes corporações. No entanto, o que vale ressaltar, é a mentalidade de gestores e diretores que acreditam que esta política pode representar uma grande economia financeira para sua organização; quando, na verdade, este fator reflete consideravelmente nadiminuição da qualidade do produto causada pelas constantes alterações em seu foco de desenvolvimento eperda da credibilidade com a demora ou não realização das atividades propostas.

Aliado a isso, um termo, apresentado como uma nova metodologia de desenvolvimento chamou muito minha atenção e me fez refletir durante os últimos dias, o ironicamente nomeado Desenvolvimento Baseado no Telefone (DBT). Seu principal jargão é o conhecido “se der problema, o cliente liga”. Brincadeiras a parte, em um período dominado pelas constantes exigências por qualidade de produtos e serviços onde tecnologias e metodologias mudam quase diariamente, infelizmente, é cada vez mais comum encontrarmos empresas desoftware que tem “adotado” esta “metodologia” como seu principal processo de desenvolvimento.

Antes de apontarmos seus culpados, cabe fazer uma breve, mas importante, ressalva. Em muitos casos, ao tratamos de pequenas e médias corporações, é comum trabalharmos com recursos financeiros, físicos e organizacionais limitados. No entanto, vale lembrar que, controlar uma empresa requer acima de tudo habilidades gerenciais, comerciais, financeiras, interpessoais e, principalmente, estratégicas. Pois, sem elas, facilmente seus membros estarão sujeitos a realizarem escolhas conflitantes com seu foco (entenda-se objetivo da empresa), perdendo, consequentemente, o mais importante, o foco do negócio. Portanto, em um nível mais corporativo, o básico do planejamento estratégico e financeiro em uma empresa é fundamental para que ela alcance seu sucesso.

Agora, vamos aqueles que particularmete atribuo como culpados por este problema. Lembre-se estou focando no conflito interpessoal para execução de diversos papéis no desenvolvimento e não em um nível gerencial (possivelmente, tema para outro post). Credito-o a três papéis, o desenvolvedor, o cliente, mas, principalmente, ao gerente ou responsável pela área de TI da organização. Ao desenvolvedor que sempre anseia por conhecimento e desafios constantes mesmo que eles possam levar mais tempo para realizar do que o previsto. Ao cliente que, em muitos casos, solicitam customizações que contrapõe suas reais necessidades e, se não houver uma pessoa especializada neste etapa, faltamente haverão re-trabalhos. Por fim, e mais importante, aogerente ou responsável pela área de TI, pois este papel deve saber como trabalhar sua equipe, seus pontos fortes, fracos, benefícios, dificuldades e, a partir disso, atribuir tarefas, atividades e papéis. Sempre atuando em pró da qualidade e credibilidade da equipe e, consequentemente, da empresa.

Lembrando que não acho esta prática aceitavél. Mas, sendo ela realidade em muitas empresas, torna-se imprescindível que suas tarefas (sejam de desenvolvimento, suporte ou testes) sejam controladas e atribuídas aos membros, ciente de suas dificuldades e problemas. Além disso, institucionalizar uma ferramenta para seu acompanhamento é essencial para identificar como está seu andamento.

Como sei que este é um tema muito polêmico e gera diferentes opiniões. Gostaria de saber se esta é sua realidade?! O que acha deste ponto de vista?! A quem credita este problema?! Deixe seus comentários e opiniões.



Nenhum comentário:

Postar um comentário