Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

11 de fev de 2012

Pra que serve o analista de negócios?

Por: Antonio Carlos Oliveira
Em: http://feedproxy.google.com/~r/GestoDeProcessosEProjetosgeis/~3/aUMLc90uqxw/pra-que-serve-o-analista-de-negocios.html


Quem já trabalhou em um projeto complexo e demorado de desenvolvimento de software sabe que o envolvimento de um analista de negócios pode significar a diferença entre o sucesso e o fracasso de um projeto.
De um modo geral, a maioria dos analistas de negócio possui os requisitos e a competência como principal linha de conduta em sua apresentação e abordagem. Se você acredita que para que um projeto de software tenha sucesso ou fracasso com base na qualidade dos requisitos, então você também deve acreditar que para esses mesmos projetos a base é ter em seu cenário o analista de negócios.

Todos concordam sobre a importância do papel do analista de negócios, mas poucos sabem exatamente o que eles fazem qual o seu papel. Em síntese: são responsáveis pela comunicação e colaboração entre a área de negócios e a TI, tendo como um de seus principais atributos a responsabilidade de agir como um canal entre as partes e a equipe.

No intuito de entender melhor o mundo dos analistas de negócio, a http://requirementssolutions.com/realizou uma pesquisa global a fim de identificar quais são as principais atribuições de um analista de negócios e considerando que o tempo integral de um profissional desse gabarito corresponde a um “mix” de atividades apurou que: Gerenciar requisitos (70%), Elaborar casos de uso (55%), Remodelar/redesenhar os processos de negócio (50%) e Desenvolver protótipos/telas da aplicação (40%) fazem parte de um único dia de trabalho, e concluem que, 100% do dia não é suficiente para executar suas principais atividades. (Entrevista realizada com 1700 profissionais).

Muito se enganam os que pensam que nas metodologias ágeis o analista de negócios deixou de existir, na verdade, fundamentalmente as atividades por eles exercidas são mais variadas, ou seja, o quadro de atribuição cresce e ao mesmo tempo diversifica (tema que abordarei em outro post), mas o objetivo crucial desse elemento sempre será melhorar a comunicação entre desenvolvedores, arquitetos de sistemas e participantes do projeto. Tradicionalistas consideram que a atuação de um analista de negócios independe do método (ágil ou tradicional), é imprescindível, e afirmam que sua presença é a garantia do sucesso e no caso de ausência o fracasso do projeto.

Outros estudos comprovam que os melhores analistas de negócio são organizados e grandes comunicadores, têm a capacidade de destilar as informações críticas das partes interessadas do projeto, muitas vezes pelo seu talento nato ou por uma ampla gama de técnicas de abordagem e modelagem do cenário.

Quando comecei a atuar com TI, percebi que o analista de negócios seria a profissão que tornaria esse profissional em um dos mais essenciais de toda uma organização, o único que realmente têm a competência para ver os dois lados sem os vícios peculiares e que cuja meta seria aplicar a tecnologia para apoiar iniciativas de negócios que ajudariam a empresa em aperfeiçoar recursos, aumentar lucros e diminuir os custos operacionais.

Como opinião pessoal, acredito que uma organização possa formar sua área de análise de negócios (inclusive sou líder e formador de um time na entidade que atuo), porém desenvolver as capacidades e as habilidades de um analista de negócios remete a tempo e maturação, não é qualquer um que tem a condição de exercer essa função e apenas com muito treinamento e “ritmo de jogo” que lapidamos esse profissional.

  • Os analistas de negócios devem ser capazes de facilitar a aplicação conjunta de design nas sessões que envolvem grupos compostos de negócios e técnicos. Eles precisam ativamente encorajar as pessoas a contribuir com suas idéias;
  • Precisam fazer o mapeamento do processo, isto é, concentrar as conversas e formatar em um contexto geral a lógica seqüencial das ações e a continuidade operacional das atividades;
  • Aplicar os dados de modelagem para organizá-los e fazer fluir as informações através dos processos de negócios, na verdade, uma modelagem de dados lógica.
Construir a credibilidade

O analista de negócios atua como um rosto do cliente para a equipe de desenvolvimento, ele deve ser suficiente credível à equipe e a mesma deve ter fé absoluta em suas ações.
Após vários anos de carreia atuando em uma fábrica de software, aprendi que a equipe de desenvolvimento deve confiar plenamente no analista de negócios, essa confiança se adquire com a devida transparência, proximidade e coerência.

  • Interagir com desenvolvedores regularmente e manter uma relação direta e sadia, ele deve saber que você esta lá e em qualquer momento pode ser acionado para os devidos esclarecimentos dos requisitos;
  • Compartilhar com a equipe de desenvolvimento e com a área de negócios o contexto de sua atividade/detalhamento realizada, pois essa será sua sustentação “técnica/funcional”, e crédito será percebido quando comprometer ambos os lados no atendimento de seus desejos, necessidades e satisfação de suas expectativas.
  • Pode ser considerado um diferencial, explicar aos times de desenvolvimento e qualidade de software a regra de negócio, e demonstrar seu domínio da informação, essa atitude reflete sua segurança e capacidade de garantir o contexto dos requisitos.
  • Por fim, ser honesto e direto em assumir o desconhecimento de determinado assunto e humilde em solicitar quantas vezes for preciso à devida explanação do tema.
Esse é um tema muito rico e caloroso, a oportunidade que tive de estudar sobre o assunto e dissertar minha opinião reforçam como é bom ser um analista de negócios.

Fonte: http://www.businessanalyst.com/, http://www.agilemodeling.com/ e http://www.cio.com/



Nenhum comentário:

Postar um comentário