Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

25 de abr de 2012

ERP ganha novo impulso associado ao BI e aos dispositivos móveis

Por: Déborah Oliveira e Solange Calvo
Em: http://cio.uol.com.br/tecnologia/2012/03/28/erp-ganha-novo-impulso-associado-ao-bi-e-aos-dispositivos-moveis/


Para que a informação chegue limpa e com qualidade às mãos de executivos e profissionais, a qualquer hora e lugar,é necessário sofisticar as soluções.

É crescente a demanda por mais inteligência, à mão, em real time, independentemente da hora e do local em que o usuário esteja. No mundo empresarial, essa necessidade aponta para o uso integrado do ERP com o BI e os dispositivos móveis. “Especialmente quando BI está integrado a sistemas de gestão empresarial, em razão de proporcionar ao ERP capacidades analíticas, considerando o compartilhamento de uma única base de dados”, afirma Carlos Eduardo Calegari, analista sênior da consultoria IDC Brasil.

Na Ancar Ivanhoe Shopping Center, a integração do ERP ao BI vai migrar para as mãos dos executivos. “Teremos o shopping na palma da mão”, projeta Fernando Wanderley, gerente-geral de TI da empresa. Segundo ele, os dados vão balizar decisões e ajudarão no lançamento de promoções relâmpago para quem está no shopping no momento ou ainda verificar se o número de funcionários da limpeza é suficiente.

“A aplicação da ferramenta é múltipla. Os gestores que tomam as decisões também terão acesso ao ERP/BI por meio de tablets. Estão nos nossos planos realizar a união das plataformas com o CRM da companhia, criando uma estrutura única”, diz.

A padronização dos processos em linha com as melhores práticas do mercado e a consolidação de dados financeiros foram as premissas que levaram a companhia a adotar um sistema integrado de gestão empresarial (ERP) para administrar os 20 shoppings que estão sob seu controle em todo o Brasil. Cada unidade tinha um sistema e chegou um momento em que foi preciso eliminar o desafio de integrar as informações administrativas e financeiras para conquistar crescimento. Com a mudança do ERP, uniram-se áreas, que passaram a contar com processos automatizados, melhores controle de fluxo de caixa e performance financeira.

Wanderley destaca que um passo importante na modernização da gestão foi garantir a inteligência sobre os dados, agora integrados. “O ERP Oracle foi adotado para ajudar nas tomadas de decisão dos shoppings”, completa.

Por enquanto, prossegue o executivo, a tecnologia está em uso no escritório central e faz parte do dia a dia do pessoal de operações e TI. Com ela, a equipe executa tarefas como gerar um ranking de percentual de chamados ao help desk nas unidades e tempo de atendimento. Nos próximos meses, as informações dos shoppings vão ser inseridas no BI e deverão gerar indicadores. Entre eles, o número de pessoas que circula pelo estabelecimento por dia, o faturamento do mês e a quantidade de veículos que passou pelo local. Cenários que ajudarão a tornar a gestão mais eficiente e o negócio mais competitivo.

Os mesmos objetivos levaram a GDK, empresa de engenharia com foco em energia [petróleo e gás], a repensar o ERP tradicional e integrá-lo ao Business Intelligence (BI). Os benefícios dessa união tecnológica já estão sendo desfrutados ainda parcialmente pelos executivos da empresa, que acessam os dados por meio da internet com seus dispositivos móveis [smartphones e tablets], a qualquer hora e lugar, facilitando as tomadas de decisão.

A mobilidade é estratégica, considerando que a companhia precisa realizar trabalhos remotamente. “É imprescindível que os gestores acessem informações de variados locais e não somente da sede da empresa”, diz Ricardo Franco, gerente de Controladoria da GDK, que tem total sintonia com tecnologia da informação por ter sido gerente de TI da organização por três anos.

E acrescenta que este ano irão aprimorar a plataforma para trabalhar melhor em dispositivos móveis. “Temos muitos contratos em obras de construção de oleodutos e gaseodutos de manutenção e montagem industrial. Por essa razão, muitas vezes temos equipe no interior do Amazonas e precisamos alinhá-las todo o tempo com a matriz aqui em Salvador”, relata.

O executivo lembra que iniciaram a implementação do BI em cima da base do ERP da IFS entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009. Há um ano, entretanto, ao modernizar o ambiente de TI, adotaram a solução analítica da Microsoft para trabalhar com a tecnologia da IFS.

Um dos maiores desafios tecnológicos da atualização apontado por Franco foi tornar o ERP, que roda em toda a empresa, confiável e com a base de dados integrada a todas as informações disponíveis e bem estruturadas. “Somente depois disso é viável partir para o segundo passo, que é a integração com o BI”, ensina. “E quando aconteceu, o ERP ficou mais estratégico.”

“As informações passaram a ser mais gerenciais e inteligentes. O gestor consegue enxergar a informação de maneira mais fácil e tomar decisões mais rapidamente. O sistema, portanto, está mais preparado para a alta direção”, relata.

Hoje, prossegue Franco, os gestores, das obras e das áreas corporativas, conseguem enxergar informações com mais qualidade e confiabilidade. Eles podem extrair e implementar indicadores de performance, que servem de base para análises de valores e metas que foram projetados com os que estão finalizados. “É um ganho importante para a alta administração poder acompanhar de maneira ágil se todos os objetivos traçados estão sendo cumpridos por meio dessas tecnologias combinadas.”

Tendo a Petrobras como principal cliente em sua carteira, a GDK tem na TI o esteio para possibilitar às áreas de negócios fazer com que os empreendimentos sejam lucrativos e os orçamentos cumpridos. “O ERP integrado ao BI dá rápidas informações ao gestor, possibilitando a ele tocar a obra com êxito, de forma que ela não fuja ao planejamento.”

O próximo passo, segundo Franco, é atualizar o ERP, que deve acontecer entre 2012 e 2013. “Vamos aproveitar o máximo dos recursos analíticos da nova versão e com isso implementar melhorias e viabilizar novos projetos”, finaliza.



Nenhum comentário:

Postar um comentário