Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

20 de jul de 2012

Comunicação – fator crítico de sucesso em projetos

Por:  
Em: http://www.tiespecialistas.com.br/2012/06/comunicacao-fator-critico-de-sucesso-em-projetos/


Uma reportagem publicada no jornal O Globo recentemente, tinha como título “Bebês já nascem em busca de comunicação” (Angier, 2012) e informava que a capacidade de interagir com os pais e outras pessoas é a primeira forma de manifestação da inteligência das crianças. A matéria mostrava os progressos em pesquisas realizadas com crianças recém-nascidas por Elizabeth Spelke, professora de psicologia e pesquisadora dos elementos que formam o conhecimento humano. Desde muito cedo, podemos afirmar que somos ávidos por nos comunicar.
A comunicação é um fator crítico de sucesso para as relações humanas, assim como desempenha um papel muito importante no gerenciamento de projetos. Os gerentes de projeto passam cerca de 90% de seu tempo executando a comunicação (Mulcahy, 2009).  Logo, comunicar é uma dos fatores críticos para o sucesso de um projeto.
O processo de comunicação
A origem da palavra comunicação vem do latim comunnicare , que é a “ação de partilhar, dividir”. Podemos definir comunicação como um processo que contempla a transmissão e a recepção de mensagens entre uma fonte emissora e um destinatário receptor, onde as informações são codificadas na origem e decodificadas no destino (Chaves, 2007).
Segundo Mendes (1999), “a comunicação significa tornar comum, trocar informações, partilhar ideias, sentimentos, experiências, crenças e valores por meio de gestos, atos, palavras, figuras, imagens, símbolos etc.”.
A comunicação pode ocorrer nas formas oral, gráfica, estática ou dinâmica, utilizando-se de meios como: papel, eletrônico, verbal, corporal, em situações de reuniões, seminários, encontros, conferência, discursos, por exemplo.
Segundo Vasconcellos e Hemsley (2003), os problemas da comunicação é uma das principais fraquezas das estruturas de empresas tradicionais, são mais graves à medida que o nível hierárquico aumenta.
A comunicação eficaz passa pela necessidade de sintetizar a comunicação fragmentada e tem como obstáculos (ARGYRIS, 1999):
a) Padrões disfuncionais de comportamento;
b) Falta de visão e liderança organizacional;
c) Barreiras estruturais e geográficas;
d) Barreiras interculturais;
e) Excesso de dados .
Segundo Chaves (2007), o processo de comunicação se dá a partir do modelo que é representado na figura abaixo e descrito a seguir:
Modelo Emissor_receptor
  • Emissor ou transmissor: É o elemento que emite a mensagem em direção ao receptor. Ele possui o conhecimento do significado real da mensagem a ser transmitida. É sua função codificar a mensagem e ainda determinar qual será o canal utilizado na transferência.
  • Mensagem: É o que é dito, escrito, ou enviado por símbolos ou sinais, visando reações ou comportamentos. A mensagem deve ser compreensível tanto pelo emissor quanto pelo receptor, e pode ser transferida através de voz, texto, desenho, movimentos, expressões faciais ou por meios eletrônicos.
  • Codificação: Quando da transferência de uma mensagem, é a tradução que um emissor promove para tornar entendível para os receptores, as ideias aos quais ele pretende enviar.
  • Canal de comunicação: Também chamado de Meio ou Mídia. É o mecanismo ou veículo utilizado para enviar a mensagem, com a incumbência de destacar e influenciar o efeito da mensagem. Serve como suporte para difundir a informação e é capaz de atingir o receptor com a mensagem, para que ele possa interpretá-la, podendo ser ainda classificados como formais ou informais. E-mails, políticas, normas, relatório de desempenho são exemplos de canais formais. Conversas acareadas ou por telefone, mensagens orais e gestos, são exemplos de canais informais.
  • Receptor: É o alvo do emissor, ou seja, aquele para a qual a mensagem foi destinada. Para que a transferência da informação seja efetiva, o receptor deve recebê-la e interpretá-la como pensava o emissor.
  • Decodificação: O receptor, utilizando sua sensibilidade promove a decodificação da mensagem que lhe foi passada, ou seja, traduz de acordo com sua percepção, assimilando a ideia recebida de acordo com o seu próprio senso cognitivo.
  • Feedback: Ou realimentação, é a resposta que o emissor obtém do receptor. Uma certificação que transparece o resultado da sua tentativa de transferir a informação. Sua função é proporcionar ao emissor uma avaliação do resultado do envio. Utilizando-se do feedback o emissor pode ter garantia de que está existindo uma interação, e não uma atividade unilateral, e ainda certificar-se se a mensagem foi recebida ou não. Em caso positivo, saber como ela foi recebida e se foi realmente compreendida.
  • Ruído: É tudo o que pode interferir afetando a transmissão de uma mensagem. Alguns exemplos podem ser citados: Problemas ou falta nos canais de comunicação, distância física ou de tempo entre emissor e receptor, uso inadequado de linguagem técnica, fatores ambientais de distração como barulho e cheiro, atitudes prejudiciais como hostilidade, descrença e preconceitos, informação excessiva, falta de conhecimento sobre o assunto que está sendo comunicado, diferenças culturais, erros de escrita e interpretação, voz baixa ou rouca durante conversa, uso de jargões, siglas e códigos não familiares a todos receptores, entre outros.
Doze modos de expressão foram identificados por O. Englender e S. Fernandes (2010) como formas de comunicação, que podem ser utilizadas integralmente nos projetos ou em qualquer outra atividade:
  • Gestual;
  • Proxemia (uso do espaço imediato para comunicar);
  • Tocar as pessoas;
  • Olhar;
  • Pausa;
  • Olfato;
  • Vocalização (tom de voz);
  • Sonoro;
  • Silêncio;
  • Posição do corpo;
  • Aparência global (escolha de roupas, corte de cabelo, etc.);
  •  Locomoção (maneira de andar, correr etc.).
Comunicação no gerenciamento de projetos
O processo de comunicação em projetos deve ser ajustar ao ambiente organizacional no qual o projeto está inserido, assim como ao tipo ou natureza de cada projeto que está sendo desenvolvido.  Por exemplo, as características diferentes de projetos de engenharia, infraestrutura, desenvolvimento ou implementação de sistemas, entre outros, apresentam requisitos e comportamentos únicos que devem ser considerados no gerenciamento de comunicação.
Segundo o PMBOK (4ª edição), “o gerenciamento das comunicações do projeto inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto sejam geradas, coletadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas e organizadas de maneira oportuna e apropriadas”. Cinco processos são recomendados:
  • Identificar as partes interessadas: identificação das pessoas e/ou organizações que podem ser afetadas pelo projeto e documentação dos seus interesses.
  • Planejar as comunicações: mapeamento das necessidades de informação das partes interessadas e definição das abordagens de comunicação.
  • Distribuir as informações: disponibilizar as informações necessárias às partes interessadas, conforme estabelecido no planejamento das comunicações.
  • Gerenciar as expectativas das partes interessadas: processo de comunicação e interação com as partes interessadas visando atender às suas necessidades e expectativas, bem como solucionar questões à medida que ocorrerem.
  • Reportar o desempenho: coleta e distribuição de informações sobre o desempenho do projeto.
No draft da 5ª edição do PMBOK que está em revisão pelo PMI, a área gerenciamento das comunicações do projeto possivelmente deverá sofrer uma alteração passando a contar com os processos abaixo:
  • Plano de Gerenciamento de Comunicações: O processo de coleta e análise de informações das partes interessadas sobre o projeto e requisitos para desenvolver uma comunicação adequada para o projeto.
  • Gerenciar as comunicações: O processo de coleta de informações sobre o projeto para criação, distribuição, armazenamento, recuperação e disposição final de acordo com o Plano de Gerenciamento de Comunicações.
  • Controle Comunicações: O processo de monitoramento e controle de comunicações durante todo o ciclo de vida do projeto para assegurar as necessidades de informação das partes interessadas no projeto são atendidas.
Estilos /formas de comunicação
De acordo com Dinsmore (2003), a comunicação pode ser classificada de acordo com os seguintes estilos:
  • Comunicação formal: neste estilo de comunicação, regras e procedimentos internos à organização devem ser seguidos, confirmados geralmente por um formato ou protocolo. Nas metodologias de gestão de projetos, geralmente existe uma sequencia de eventos e procedimentos com documentos formatados. No ambiente de projetos toda a documentação gerada nas organizações envolvidas, deve passar pelas mãos do gerente de projetos.
  • Comunicação informal: aqui não existem formalidades e regras para troca de informações, a comunicação é livre. Um detalhe é que ela não gera custos elevados pelo fato de não depender de confirmações oficiais. Atualmente, com as concepções mais modernas em gerenciamento de projetos, têm-se adotado uma gestão mais informal, onde atingir uma comunicação eficiente nas direções horizontal e vertical. A comunicação informal pode trazer inúmeras vantagens se bem utilizada. Apresenta vantagem na agilidade de execução, podendo agregar valores de tempo ao projeto. Gera uma comunicação sustentada pela confiança entre os envolvidos, considerando que toda a equipe estará imbuída em tal objetivo. Vale ressaltar que por mais que a comunicação informal seja utilizada de forma adequada, não se pode extinguir a comunicação formal, pois ela é necessária e indicada em inúmeras situações durante todo o ciclo de vida do projeto.
Dimensões da comunicação
  • Estilos de redação: voz passiva ou ativa, estrutura de frase, escolha de palavras.
  • Técnicas de apresentação: linguagem da corporação, desenho dos visuais de suporte.
  • Técnica de reuniões: preparação de agenda, tratamento de conflitos.
Cleland (2002) aponta quatro pontos fundamentais para a comunicação em projetos:
  • Sistemas de Informações gerencial dos projetos;
  • Comunicação em reuniões;
  • Comunicação em projetos abordando os processos de comunicação;
  • Negociações.
Em pesquisa realizada para a Construction Industry Institute (CII) dos Estados Unidos, foram entrevistados 582 gerentes de projetos, engenheiros e construtores em 72 projetos espalhados por oito países. Thomas e outros (1998) apresentaram este trabalho que concluiu que existem seis categorias críticas de comunicações em projetos, apresentadas na tabela abaixo:
Categorias críticas na comunicação
 Interessante esta abordagem de classificação de categorias críticas de comunicação. Apesar de terem sido identificadas em projetos de infraestrutura/construção civil, estas categorias não seriam aplicáveis a qualquer tipo de projeto?
Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos Brasil – PMI Brasil
Destacamos a seguir alguns itens do Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos Brasil, Project Management Institute – Chapters Brasileiros em 2011, associados à comunicação em projetos, para uma reflexão.
Os percentuais indicados representam % das organizações que citaram cada item.
  • Comunicação é a habilidade mais valorizada pelas organizações no gerenciamento de projetos (57,4%).
  • Dentro dos aspectos considerados na metodologia de gerenciamento de projetos das organizações, comunicação aparece em 4º lugar (69,8%) atrás de Tempo (98,8%), Escopo (96,6%) e Custos (83,3%).
  • De acordo com as organizações que participaram da pesquisa, comunicação é a habilidade que é considerada como mais deficiente em seus gerentes de projetos (41,10%).
  • Problemas com comunicação foi o item mais citado em relação aos problemas mais frequentes nos projetos das organizações (72,1%).
Conclusão
Os itens destacados anteriormente deste Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos nos permite corroborar o quão é importante o processo e o gerenciamento de comunicação para as organizações.
Ao mesmo tempo em que comunicação é a habilidade mais valorizada pelas organizações, também é identificada como a habilidade com maior deficiência em seus gerentes de projetos. Esta deficiência implica diretamente em que “problemas de comunicação” possuem a maior incidência de problemas citados pelas organizações do estudo referenciado.
Diante destes fatos, podemos sugerir que a melhoria contínua no processo de comunicação e o desenvolvimento desta habilidade é uma prática necessária e urgente, para o sucesso dos projetos e das organizações. Ou seja, trabalharmos para termos uma comunicação direta, clara e concisa.
Para reflexão: Partindo da premissa que a comunicação é um fator crítico de sucesso para o gerenciamento de projetos, o que está sendo feito para tornar a comunicação mais eficaz na sua organização?
Fontes
  • ANGIER, Natalie.  Bebês já nascem em busca de comunicação. Publicada no Jornal O Globo de 27 de maio de 2012. Reportagem original “Insights From the Youngest Minds”, New York Times, published: April, 30, 2012.
  • ARGYRIS, Chris; BARTOLOMÉ, Fernando; ROGERS, Carl. Comunicação eficaz na Empresa. Rio de Janeiro. HBR-Campus, 1999.
  • CHAVES, L. E., et al. Gerenciamento da comunicação em projetos. Rio de Janeiro: FGV, 2007.
  • CLELAND, David I., IRELAND, Lewis. R. Gerência de projetos. Rio de Janeiro. Reichmann & Affonso, 2002.
  • DINSMORE, Paul Campbell, Cavalieri Adriane, Como se tornar um profissional em gerenciamento de projetos: livro-base de “Preparação PMP – Project Management Profissional”. Rio de Janeiro: Qualitymark. 2003.
  • ENGLENDER, O; FERNANDES, S. Manager Un Projet Informatique; Comment Recueillir Les Besoins, Identifier Les Risques, Definir Les Coûts? 2e édition.France: Eyrolles.2011.
  • Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos Brasil, Project Management Institute – Chapters Brasileiros (http://pmsurvey.org/).  2011.
  • MENDES, Eunice; JUNQUEIRA, L. A. Costa Curta. Comunicação sem medo: guia para você falar em público com segurança e naturalidade.  São Paulo.  Editora Gente, 1999
  • MULCAHY, Rita. PMP exam prep. 6th Ed. RMC Publications, 2009.
  • PMI, Project Management Institute. A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK). Fourth edition, 2008.
  • PMI, Project Management Institute, The PMBOK® Guide–Fifth Edition DRAFT STANDARD, View Exposure Draft, 2012.
  • THOMAS, S.R.; TUCKER, R.L.; KELLY, W.R. Critical Communications Variables. Journal of Construction Engineering and Management, Vol. 124, No. 1, January/February 1998, pp. 58-66.
  • VASCONCELLOS, Eduardo e HEMSLEY, James R. Estruturas das Organizações – estruturas tradicionais, estruturas para inovação, estruturas matriciais. São Paulo, Thomsom Pioneira, 4ª edição, 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário