Postagem em destaque

Procurando Profissional em Análise de Processos de Negócios, BPM, BPMS e Melhoria de Processos, para atuar na Região Metropolitana de Belo Horizonte?

Marco Gandra Brasileiro – Casado 41 anos - CNH B Nascido em Belo Horizonte e-mail gandraribeiro@gmail.com ...

Pesquisar neste blog

16 de ago de 2012

Gestão de Frotas na Construção Pesada

Por: 
Em: http://allegrogestao.com/gestao-de-frotas-na-construcao-pesada/


Um dos principais ativos das empresas de Engenharia é a sua frota de equipamentos. A gestão destes ativos, em muitas empresas é feita mais pela experiência dos engenheiros do que por uma metodologia implementada por elas próprias. Nesses casos, é comum ainda que a gestão seja feita de maneira informal ou não automatizada. A empresa passa então a correr um risco de ter sua frota subutilizada ou mal utilizada. Máquina parada, seja por questões mecânicas, seja por falta de planejamento, significa prejuízo.

A implementação de um modelo de gestão de frotas é um passo importante para garantir a eficiência dos equipamentos, assegurar sua máxima disponibilidade e buscar continuamente a melhoria de seu desempenho.
A Gestão de Frotas deve ser parte integrante da definição da visão de futuro de uma empresa de Construção Pesada e um bom modelo deve atuar sobre quatro aspectos fundamentais:
a) Planejamento e controle de manutenção e serviços, garantindo a disponibilidade dos equipamentos e instalações, colaborando para o atingimento dos resultados esperados na obra e dos resultados da empresa.
b) Gerência da administração de frotas, permitindo entre outras ações, o controle da mobilização e desmobilização dos equipamentos nos projetos, avaliação dos indicadores para aquisição de novos equipamentos e da avaliação dos equipamentos candidatos a venda.
c) Econômica, proporcionando uma metodologia de cálculo dos valores que as obras devem remunerar a empresa pela utilização dos equipamentos, sendo que este valor é baseado na depreciação técnica, juros e provisionamento de manutenção.
d) Desempenho da frota, proporcionando informações sobre os custos de operação e manutenção e relatórios de indicadores de produtividade dos equipamentos, tais como, ROP – Rendimento Operacional, RM – Rendimento Mecânico, AD – Aproveitamento da Disponibilidade, por classificação e agrupamento de equipamentos similares.
Estas informações irão proporcionar uma série de indicadores que permitirão que a empresa defina a melhor estratégia para maximizar seus resultados.
O ideal é que todas essas informações sejam controladas através de um sistema, que precisa ainda ser integrado a outros sistemas da empresa. Infelizmente, a maioria dos ERPs não aborda o assunto de gestão de frotas em toda esta amplitude.
Há um modelo de gestão de frotas que permite tais controles de maneira organizada e inteligente. Tal modelo consiste na criação de uma Central de Equipamentos. Ela funciona como uma empresa locadora virtual dos equipamentos para empresas. Desta forma, torna-se a controladora do equipamento e, como se fosse uma empresa real, ela deve cuidar para que os equipamentos estejam sempre em bom estado de uso e de apresentação.
Para que isso funcione, é preciso criar regras para o controle do recebimento de equipamentos. Através de avaliações mecânicas, na chegada do equipamento na obra, o Engenheiro Mecânico ou Encarregado de Manutenção verifica e emite seu parecer sobre o real estado do equipamento. Caso o equipamento não se encontre em um bom estado de uso, os custos para a manutenção do equipamento são repassados para a obra de origem.
O custo com peças, na manutenção dos equipamentos, é rastreado e repassado como custo para a Central de Equipamentos, que também funciona como um centro de resultado. Em contrapartida, a Central de Equipamentos calcula o valor de aluguel a ser pago pelas obras, em relação à utilização dos equipamentos. O cálculo deste aluguel é baseado na depreciação dos equipamentos, juros e em um provisionamento de manutenção, que é calculado baseado no custo histórico de manutenção dos equipamentos. Incluir o provisionamento de manutenção no cálculo do aluguel é uma forma justa de equilibrar os gastos com manutenção entre as obras.
O modelo de gestão de frotas deve também buscar o equilíbrio entre as obras e a empresa, evitando que a obra fique sobrecarregada com custos excessivos relacionados à utilização dos equipamentos da empresa, mas ao mesmo tempo, permitindo que a empresa tenha sempre sua frota renovada.
____________________________________________________
Para conhecer nossa solução para gestão de frotas, clique aqui.
 

Você também vai gostar de ver:

Nenhum comentário:

Postar um comentário