Pesquisar neste blog

31 de jul de 2012

É hora de mudar a mentalidade sobre analistas de negócio

Por: Michael Fitzgerald
Em: http://cio.uol.com.br/gestao/2012/07/18/e-hora-de-mudar-a-mentalidade-sobre-analistas-de-negocio/


Eles são vistos por mais e mais empresas como uma função essencial. Você não pode terceirizar o conhecimento, a estratégia e o pensamento crítico.


Puristas em tecnologia podem tremer o que poderá ser a vingança dos ternos. O motivo? Vinte e três por cento das companhias entrevistadas pela COMPUTERWORLD americana na pesquisa Forecast 2012 disseram que planejam contratar profissionais com capacidades analíticas nos próximos 12 meses. No ano passado, apenas 13% responderam que buscariam esse tipo de talento.
"Analista de negócios de TI" também foi classificado no ano passado pela revista Money Magazine como uma das top 12 carreiras para seguir. De acordo com a publicação, o salário médio para essa posição é de 83,1 mil dólares nos Estados Unidos. A partir de 2011, os salários aumentaram 1,4%.
Enquanto a tecnologia pura está praticamente em declínio - os administradores de banco de dados, programadores e desenvolvedores da web também figuram na lista da Money Magazine - os analistas de negócio estão sendo vistos por mais e mais empresas como uma função essencial. "É um dos papéis mais importantes em tecnologia da informação", diz Allen Hackman, diretor sênior de TI no Tyco International, empresa de segurança.
A ascensão do analista de negócios reflete as mudanças no mundo de TI, diz Hackman, que afirma que a popularidade do software como serviço (SaaS) e da comoditização da tecnologia em geral têm feito analistas de negócios mais importantes. "Você não precisa de TI para implementar Salesforce.com, por exemplo", observa. 

"Mas como posso aplicá-la, como faço para atender a minha necessidade de negócio, como faço para levar as pessoas a usá-lo? Essas são perguntas que devem ser feitas ao analista de negócios”, esclarece. "O que o departamento de TI realmente precisa é de um analista de negócios", observa.

Para ele, CIOs e gerentes de TI têm de mudar a mentalidade sobre analistas de negócios. "A antiga visão do analista júnior era alguém que iria tomar notas e fazer uma ordem detalhada do negócio, construir uma lista de materiais para um projeto etc", diz Mark P. McDonald, analista do instituto de pesquisas Gartner. “Agora, o analista de negócios ganha um papel de alto solucionador de problemas.”
O que mudou desde os tempos do analista júnior que tinha papel de anotador? McDonald pontua três alterações:
1. As organizações enfrentam questões mais complexas, e a TI deve ajudar a escolher os vários tipos de tecnologias que serão usadas para resolver os desafios de negócios.
2. TI está se tornando cada vez mais comoditizada e mais terceirizada, e com isso seu principal valor para a organização tornando-se analítico e não mais processual. A TI precisa agora mostrar ao negócio que pode alavancar a tecnologia de forma estratégica, elevando o papel do analista de negócios.
3. Ao contrário do resto da TI, analistas de negócios estão diretamente relacionados às unidades de negócio, mesmo que reportem às de tecnologia da informação. Analistas, portanto, são muitas vezes vistos como as principais fontes de conhecimento de TI na organização e tipicamente deverão ter habilidades sociais e de comunicação, diz McDonald.
Como resultado, concorda Hackman, analistas de negócios estão ganhando terreno nas companhias. "Você não pode terceirizar o conhecimento, a estratégia e o pensamento crítico", diz ele.

O que faz um bom analista de negócio?
E, afinal, quais credenciais essa figura deve ter? A Clorox espera que seus analistas de negócios sejam capazes de ajudar a criar requisitos do projeto olhando sob a óptica de negócios, escrevam cenários de teste e planos, gerenciem projetos, possuam conhecimento suficiente técnico para trabalhar bem com os desenvolvedores e levem conhecimento do negócio para os projetos de TI.

Não é o conjunto típico de habilidades do desenvolvedor, observa Linda Martino, vice-presidente de envolvimento com os negócios e entrega de aplicativos da Clorox, empresa de bens de consumo. Linda gerencia 30 analistas de negócios na Clorox. Ela diz que é mais comum na Clorox que os analistas vejam enxerguem a óptica dos negócios e aprendam com a TI.
Muitos deles eram "superusuários", pessoas que já trabalhavam de forma confortável com a tecnologia que ficaram ainda mais interessados em TI e queriam fundir seus conhecimentos do negócio com a habilidade técnica. "Eles chegam a se tornar especialistas e ajudam a empresa a conquistar seus objetivos”, observa Linda.
Quando se trata de decidir onde os analistas devem se encaixar organizacionalmente, Linda acredita que é aconselhável para as empresas posicioná-los no departamento de TI, mesmo que consumam um bom tempo atuando na unidade de negócios. Uma razão para isso é que eles não podem ter um plano de carreira no lado do negócio, outra é a segurança do emprego.
Hackman diz que na Tyco ele conta com seis analistas de negócios. Eles fazem parte da equipe de TI, embora trabalhem alinhados aos negócios. O executivo afirma que eles funcionam como gerentes de projeto, servindo como ponto de contato para a solução de problemas de negócios e muitas vezes a execução do projeto.

O que os analistas querem? Variety
"Estou desenvolvendo muitos projetos e gosto de trabalhar com eles. Eu preciso de estímulo externo e resolução de problemas”, diz Kermit M. Smith, analista sênior de desenvolvimento de soluções no Carondelet Health Network/Ascension Health, provedora de TI que opera rede de hospitais.

Ao longo de sua carreira, Smith atuou entre TI e negócios. Atualmente, o executivo está trabalhando em um projeto eletrônico de registros de saúde que envolve a transferência de dados legados de dez anos para um novo sistema.
Segundo ele, a maior de seu trabalho é ter certeza de que o sistema vai realmente ser usado por todos os profissionais de uma entidade de saúde. Para atingir esse objetivo, Smith consumiu um tempo para descobrir como ajustar o sistema por isso é mais útil e eficaz. A área voltada para diabetes, por exemplo, tem necessidades específicas, e algumas das telas do sistema têm de atender a essas necessidades ou então os profissionais vão criar barreiras para utilizar o sistema.
“Às vezes queremos complicar as coisas, quando tudo o que eles querem é cinco telas e um gráfico", admite Smith. "Um analista de negócios deve ter certeza de que estão liberando as informações corretas para os usuários certos e entender quais são suas necessidades."

O que um analista entrega? Perspectiva
No Northwest Exterminating, empresa norte-americana que atua no controle de pragas, o diretor de TI Matthew Metcalfe emprega um analista de negócios em tempo integral, mesmo que a organização seja pequena, com apenas três funcionários e alguns consultores de TI para apoiar cerca de 330 empregados.

Há quase um ano, Metcalfe contratou Amy Logan para atuar na área de negócios da companhia. A profissional era responsável pelo suporte de vendas, especificamente para auxiliar no gerenciamento de projetos de software. Agora, Amy trabalha do lado empresarial para estabelecer requisitos para projetos.
“Amy circula bem nas unidades de negócios e identifica os problemas que temos no software”, diz Metcalfe. "Ela vai até lá e nos aponta diversas melhorias que podem ser aplicadas”, completa.
McDonald, do Gartner, diz que muitas vezes analistas de negócios vêm de infraestrutura operacional e funções dentro de TI e os benefícios para ambos os lados podem ser inúmeros.
Analistas de negócios eficazes aproximam TI dos negócios, identificam seus problemas e sugerem uma solução. Esse profissionais ajudam TI, adicionando conhecimentos sem a aquisição de infraestrutura. “Se suas contribuições forem aplicadas de forma adequada TI, a companhia ganha capacidade de agregar valor muito rapidamente", diz McDonald.
Considerando todos esses benefícios, diz ele, não é de se admirar que ambos os lados considerem o analista de negócios o trabalho mais popular na área de TI agora.

Cinco dicas para gerenciar TI por meio de analistas de negócios

1. Como você deve gerenciar o analista de negócios? "O mais importante é tentar mantê-los desafiados", diz Allen Hackman, diretor sênior de tecnologia da informação da Tyco International.
2. Concentre-se nas habilidades das pessoas. O analista de negócios precisa desenvolver um forte relacionamento com os usuários, para que eles o consultem desde o início de um projeto. Mas não se esqueça de tecnologia.
3. Proponha treinamentos com as unidades de negócios. Na Clorox, analistas de negócio podem participar de conferências sobre a coleta e a documentação de requisitos do projeto, mas também assistir a conferências que os empresários em suas especialidades participam, diz Linda. Da mesma forma, os analistas de negócios da Tyco participam de ambos os eventos de formação, como aulas de gerenciamento de projetos ou certificação PMI e palestras específicas do setor.
4. Mantenha o diálogo. A Clorox patrocina o que chama de "comunidades de prática". São equipes que se reúnem regularmente para discutir as melhores práticas, modelos e ferramentas com as pessoas que têm empregos semelhantes e a comunidade analista de negócios é uma das mais ativas, diz Linda.
5. Considere o cross-training. A Clorox também começou a utilizar essa estratégia para que os analistas possam trabalhar em todos os departamentos. A meta da empresa não é somente manter os analistas interessados, mas também ser mais flexíveis em sua capacidade de atender às necessidades de negócios.

30 de jul de 2012

5 Top Qualidades de Criativos

Por: Eliana Cha
Em: http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/5-top-qualidades-de-criativos


A ‘criatividade’ é considerada a competência de liderança mais importante para uma empresa de sucesso do futuro.

Como identificar – e para contratar – as qualidades que somam a criatividade?

Confira cinco qualidades essenciais de criativos produtivos, seguida por algumas recomendações de como descobrir em potenciais contratados, colegas de trabalhos, e colaboradores.

1. As habilidades de comunicação.

Albert Einstein: “Se você não consegue explicar de forma simples, você não entende bem o suficiente.”
Se você está liderando uma equipe, gerenciamento de clientes, ou a formação de um novo contratado, a capacidade de comunicar de forma clara e concisa é uma habilidade absolutamente essencial. Devemos desenvolver a capacidade de gerir eficazmente os nossos canais de comunicação (e-mail, Twitter, Facebook, etc), para reunir pessoas em torno de nossas idéias, e para trabalhar bem com os outros – os nossos colaboradores e nossos clientes.
Como testar:
Uma maneira fácil de testar esta capacidade é por um candidato para explicar uma tarefa simples. Se você estivesse contratando um Administrador de Sistemas, por exemplo, você pode perguntar algo como: “Diga-me através do processo de configuração de um servidor web.” Não tem que ser uma questão difícil, o objetivo é obter uma visão da capacidade de comunicar com clareza.

2. Pró- atividade

99% : “Aqueles que tomam a iniciativa possuem a tenacidade e um nível saudável de impaciência com ociosidade. “
Julgamos as pessoas baseado nas suas experiência. Esta é, naturalmente, toda a base do currículo. No entanto, enquanto a experiência profissional é valiosa, precisamos cavar mais fundo. O melhor indicador da criatividade produtiva é a disposição para agir e tomar a iniciativa de colocar uma idéia em ação.
Como testar:
Informe-se sobre os casos anteriores onde o candidato foi proativo. Peça para explicar como e porque começou nos lugares listados em seu currículo.
Pergunte: “Se eu colocá-lo hoje no comando da empresa, o que você faria diferente” ou “Quais são algumas coisas que você mudaria sobre o produto (ou processo de vendas, ou website, etc) se você tivesse a chance? ”

3. Resolução de problemas.

Designer Michael Beirut: “O problema contém a solução.”
Os criativos bem-sucedidos dessa forma não vê problemas como problemas – eles vêem como oportunidades.
“Pensar fora da caixa”, nada mais é do que a resolução criativa de problemas – a habilidade de chegar a novas soluções, olhando além das abordagens óbvias ou tradicionais.
Como testar:
Ao entrevistar candidatos para a sua equipa criativa, não incidir sobre as questões principais. Em vez disso, faça perguntas que enfatizam e oferecem insight no pensamento do candidato.
Um exemplo de uma boa pergunta para um gerente comunitário poderia ser: “Como você lida com um cliente irado que não para de postar comentários negativos em mural de mensagens?”

4. Curiosidade.

Filósofo francês Voltaire:
“Julgue um homem pelas suas perguntas do que por suas respostas.”

Quem já teve um momento de “Eureka!” sabe que a ousadia de fazer uma nova pergunta vai um longo caminho para encontrar a solução certa. Além do mais, um elevado nível de curiosidade – a marca de uma mente curiosa – é normalmente um indicativo de outras boas qualidades, como a criatividade, desenvoltura e destemor. Tende também a espantar o tédio e apatia – sentimentos envenenam todo o esforço criativo.
Como Testar:
Ao entrevistar uma potencial contratação, observe quantas perguntas pedem espontaneamente , e quanto já aprendeu sobre sua empresa. Você também pode fazer perguntas simples como: “Conte-me sobre algo fora de sua área de especialização que você aprendeu recentemente?”ou “Qual foi o último livro que leu, e por quê?”

5. A assunção de riscos.

Coreógrafa Twyla Tharp, “Se você só faz o que sabe e faz isso muito, muito bem, as chances são que você não vai falhar. Você só vai estagnar, e seu trabalho vai ficar cada vez menos interessante, e isso é falha pela erosão.”
Para Tharp, inventor James Dyson, e inúmeros outros, o fracasso é um símbolo de conquista, pois significa que você tomou um risco, que tentou algo novo.
Estar aberto ao risco (e, portanto,a falha) é fundamental. Só podemos realmente aprender e desenvolver quando nos esforçamos fora da nossa zona de conforto.
Como testar:
Um exemplo de pergunta: “Dê um exemplo de uma situação onde você acha que se arriscou ou contrariou um ponto de vista.” Ou se tem alguma coisa que o candidato lamenta não ter feito em seu trabalho anterior.
Geralmente as pessoas arrependem das coisas que não fizeram, mais do que aqueles que fizeram. Assim, o arrependimento e a assunção de riscos geralmente trabalham (vagamente) na proporção inversa ao outro.

29 de jul de 2012

10 Lições Incríveis do Bambu por Garr Reynolds

Por: Eliana Cha 
Em: http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/10-licoes-incriveis-do-bambu-por-garr-reynolds


O bambu, sim a planta, por incrível que pareça tem qualidades valiosas e sensacionais.

O bambu simplesmente nos lembra o que já sabemos, mas que pode ter esquecido.

Cabe a nós colocar essas lições (ou lembretes) de resiliência para o uso diário por meio da persistência e prática.

Você não precisa ser perfeito.Você só precisa ser resiliente. Esta é a maior lição do bambu.

Garr Reynolds é um consultor americano, especializado em apresentações. Há muitos anos vive radicado no Japão e seu livro Apresentações Zen, é um best seller mundial.
Utilizando-se da rica cultura japonesa, Garr faz um paralelo entre os nossos desafios e a capacidade de resiliência de um bambu.

TEDxTokyo – Garr Reynolds

“Depois de plantada a semente, não se vê nada;
Durante cinco anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu, mas, uma maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra esta sendo construída… Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês: você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento, e, às vezes não vê nada por semanas, meses, ou anos.
Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu 5º ano chegará, e, com ele, virão um crescimento e mudanças que você jamais esperava…”

1. Lembre-se: O que parece fraco é forte

“O corpo do maior bambu que possa conhecer, não é grande em comparação a muitas outras árvores da floresta. Mas o bambu pode suportar invernos frios e verões muito quentes e são por vezes as únicas árvores que ficam de pé após uma tempestade.”
 
Segundo o Mestre Jedi: “Não importa o tamanho. Olhe para mim.  Você não vai me julgar pelo meu tamanho, não é? ”
Temos de ter cuidado para não subestimar os outros ou nós mesmos com base apenas em velhas noções do que é fraco e o que é forte.
Não é preciso ser grande e imponente para ser forte. Você não precisa estar na maior e melhor empresa ou na escola mais popular, etc…mas como o bambu, acreditar em suas próprias forças,  permanecer de pé, e saber que você está tão forte quanto você precisa ser.
Lembre-se também que há uma força na luz, na abertura e transparência. Há uma força na bondade, cooperação e compaixão.

2. Curvar-mas-sem-quebrar”

Uma das coisas mais impressionantes sobre o bambu é como ele se balança com a brisa. Este movimento, o balanço suave, é um símbolo de humildade.
 
A fundação do bambu é sólida, mas se move e balança harmoniosamente com o vento, nunca luta contra ela. Até o vento mais forte, o bambu ainda permanece firme e na altura.
 
Essa atitude, “curvar-mas-sem-quebrar” ou ” ir no fluxo natural”, é um dos segredos para o sucesso, ou apenas para lidar com os caprichos da vida cotidiana.

3. Ser profundamente enraizado, mas ainda flexível.

O bambu é notável pela sua incrível flexibilidade. Esta flexibilidade é possível, em parte, devido à estrutura complexa da raiz do bambu para deixar mais estável o chão ao redor da floresta.
 
Raízes são importantes, mas em um mundo cada vez mais móvel, muitos indivíduos e famílias não têm tempo ou esforço para estabelecer raízes em suas próprias comunidades.
O desafio, então, para muitos de nós é manter-se móvel, flexível, viajantes internacionais e profissionais, ocupados, mas  ao mesmo tempo fazer o esforço e tomar o tempo para se envolver e profundamente enraizado na nossa comunidade local.

4. Desacelerar a  sua mente ocupada

Mais do que nunca temos muito mais informações disponíveis  e vivemos em um ritmo muito acelerado. E se for olhar melhor, a nossa vida de trabalho é  bastante agitada e, às vezes, até caótica.
Muitas vezes é difícil ver algum sinal através de todo esse ruído.
Num ambiente assim, é muito  importante tomar o momento de abrandar, acalmar a sua mente ocupada e ver as coisas mais claramente.

5. Estar sempre pronto

Segundo o grande mestre de Aikido, Kensho Furuya :
“O guerreiro, como o bambu, está sempre pronto para a ação.”
 
Numa apresentação ou qualquer outras atividades profissionais, através de um bom treino, formação e da prática podemos desenvolver em nossa própria maneira um estado de ser sempre pronto.
Através do estudo e prática, podemos pelo menos fazer o nosso melhor para estar pronto para qualquer situação.

6. Encontrar a sabedoria no vazio

Dizem que  para aprender, o primeiro passo é esvaziar-nos de nossas noções preconcebidas. Não se pode encher um copo que já está cheio.
 
O interior oco do bambu nos lembra que muitas vezes estamos demasiado cheios de nós mesmos e nossas próprias conclusões e não temos espaço para mais nada.
Para receber o conhecimento e a sabedoria de ambas as naturezaa e as pessoas, temos que estar abertos ao que é novo e diferente.
Quando você esvaziar sua mente de seus preconceitos, orgulho e medo, você se torna aberto às possibilidades.

7.Comprometa-se com o crescimento e renovação

O bambu está  entre as plantas que mais cresce no mundo.
Não importa quem você é - ou onde você está - hoje, você tem um potencial incrível de crescimento.
A melhoria contínua é mais constante e incremental, onde grandes saltos e limites não são necessários. No entanto, mesmo com um compromisso com a aprendizagem e melhoria contínua, o nosso crescimento, como o crescimento do bambu, pode ser bastante notável quando olhamos para trás.
Às vezes sentimos desencorajados e que não estamos melhor em tudo.
Não desanime se você perceber  essa falta de crescimento ou melhoria. Se você não desistir, então você está crescendo.
Ser rápido ou lento não é essa a nossa principal preocupação, mas o avanço.

8.Utilidade expressa através da simplicidade

“O bambu em sua simplicidade expressa a sua utilidade. O homem deve fazer o mesmo. “
 
Gastamos muito do nosso tempo tentando mostrar como somos inteligentes, talvez para convencer os outros e até a nós mesmos que somos dignos de atenção e elogios.
Muitas vezes complicamos o simples para impressionar e não conseguimos simplificar o complexo com medo do que os outros possam saber o que sabemos.
Se podemos perder esse medo, talvez pudéssemos ser mais criativos e encontrar soluções simples para problemas complexos.

9. Soltar o seu poder de saltar para trás

O bambu é um símbolo de boa sorte e um dos símbolos das comemorações de Ano Novo no Japão.
A imagem importante do bambu coberto de neve  representa a capacidade de saltar para trás após ter experimentado a adversidade.
No inverno, a neve pesada dobra a parte traseira do bambu para trás…até que um dia a neve se torna tão pesada, começa a cair, mas o bambu consegue voltar a sua altura novamente, descartando toda a neve. O bambu suporta o fardo pesado da neve, e no final ele tem o poder de saltar para trás, como se dissesse: Eu não vou ser derrotado.”

10. Sorrir, rir, brincar

A palavra sorrir ou rir em chinês : 笑う. No topo são dois pequenos símbolos de bambu (竹 ou tomar).
Diz-se que o bambu tem uma forte associação com o riso, talvez por causa do som que as folhas de bambu conseguem fazer em um dia ventoso. Se você usar sua imaginação, soa um pouco como a floresta rindo, um som calmante.
O bambu em si também tem uma conexão com as brincadeiras das gerações tradicionais, a pipa japonesa e nas artes e ofícios, como fazer uma boneca.
Sabemos intuitivamente a importância de sorrir, rir e brincar, e a ciência agora moderna mostra evidências de que esses elementos desempenharão um papel essencial e importante na nossa saúde física e mental.

* Mais informações:

28 de jul de 2012

# O Manifesto Holstee – “Viva uma vida plena, criativa, apaixonada e comunitária.” [Inspiração - Vídeo]

Por: Eliana Cha 
Em: http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/o-manifesto-holstee-viva-uma-vida-plena-criativa-apaixonada-e-comunitaria-inspiracao-video


O Manifesto Holstee

Um convite para que se viva uma vida plena, criativa, apaixonada e comunitária.

Mais que repitido, uma mensagem para ser vivida.
Uma mensagem que já foi compartilhada mais de 500.000 vezes e visto mais de 60 milhões de vezes online.
 “ A história começou em maio de 2009, em meio à recessão, quando três irmãos criaram a marca que dá nome ao manifesto. Fizeram camisetas, roupas, cartazes… Mas o objetivo era ir além de criar apenas um negócio, eles queriam construir um ideal, um estilo de vida.” 
Recentemente, foi lançado o filme do manifesto, “The Holstee Manifesto Lifecycle.”
O filme surgiu com um desejo de trazer a energia e paixão por trás do Manifesto , através de algo que amamos – andar de bicicleta.
Os ciclistas apresentam no vídeo, a rotina de uma de suas paixões — um divertido e ecologicamente correto transporte alternativo.


Andar de bicicleta tornou-se uma paixão, muito mais do que uma alternativa de transporte.
É uma maneira de viver plenamente a cidade que amamos e todos os seus detalhes.
Uma tentativa de dar vida ao manifesto, ou de mostrar a prática por trás da teoria.
O filme é uma celebração. É uma celebração de reuniões, da diversidade, da vida e da beleza da experiência compartilhada.

Vale à pena assistir.

+ O Manifesto Holstee, traduzido em português.

Essa é sua vida. Faça o que você ama, e faça com frequência.

Se você não gosta de algo, mude.

Se você não gosta de seu trabalho, saia.

Se você você não tem tempo suficiente, pare de ver TV.

Se você está procurando o amor da sua vida, pare;

Ele estará te esperando quando você começar a fazer coisas que ama.

Pare de analisar tudo, todas as emoções são lindas.

Quando você comer, aprecie cada última mordida.

A vida é simples.

Abra sua mente, braços e seu coração para coisas e pessoas novas, estamos unidos em nossas diferenças.

Pergunte a próxima pessoa que você ver qual é sua paixão, e divida seu sonho inspirador com ela.

Viaje com frequência; se perder vai ajudar a se encontrar.

Algumas oportunidades vêm somente uma vez, segure-a.

A vida é sobre pessoas que você encontra e as coisas que você cria com elas então saia e comece a criar.

A vida é curta.

Viva seu sonho e divida sua paixão.


* Visite o site e conheça mais um pouco do manifesto.

27 de jul de 2012

10 Vídeos Incríveis sobre Processo Criativo e Execução de Ideias

Por: Eliana Cha 
Em: http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/10-videos-incriveis-sobre-processo-criativo-e-execucao-de-ideias


Criatividade precisa de coragem – Henri Matisse
Criatividade precisa de coragem – Henri Matisse

Como as idéias acontecem através dos processos de pensamentos e as práticas criativas dos grandes realizadores.

Confira alguns dos melhores vídeos sobre a execução de idéia de artistas, escritores, designers, contadores, pesquisadores e chocolates.

1. William Kentridge: Anything Is Possible (53:12) (Tudo é Possível)

Esse rico e maravilhoso perfil do aclamado sul africano artistaWilliam Kentridge vem da arte da PBS: 21 séries. Entre outras coisas, Kentridge fala sobre como aprender a trabalhar com as nossas fraquezas.
“É sempre entre as coisas que eu achava que estava fazendo que o trabalho real aconteceu.”

2. Ira Glass: Bridging The Gap Between Appreciation & Ability (5:20) (Criando algo entre a apreciação e a habilidade)

A vida deste americano Ira Glass descreve o momento doloroso quando a sua capacidade de executar suas idéias ainda não conhece seus próprios padrões estéticos – e como passar por isso.
“A coisa mais importante que você pode fazer é trabalhar muito.”

3. Michael Wolff: Don’t Overvalue Your Experience (62:04) (Não supervalorize a sua experiência”)

Às vezes,damos mais valor a nossa própria experiência. Aqui, Michael Wolff, um dos principais designers de identidade do mundo, fala como contrabalancear a rigidez da experiência do passado, permanecendo em aberto. Aberto a apreciação, aberto à curiosidade, e aberto às possibilidades de imaginação.
Click to play the video. (Clique para assistir o vídeo)
“Eu sei que estar certo é uma coisa muito mortal. E eu sei que pensar que você sabe o que fazer não é uma coisa muito útil.”

4. J.K. Rowling: Life Is Not A Checklist of Achievement (20:59) (A vida não é uma lista de conquistas)

Neste discurso clássico da Harvard, J.K. Rowling exalta o valor do fracasso e da imaginação. Ela descreve a sua viagem de mãe solteira pobre ao mega-best-seller da série Harry Potter.
“É impossível viver sem fracassar em algo, a menos que você viva tão cautelosamente que você poderia muito bem não ter vivido.”

5. IDEO: Enlightened Trial-And-Error Always Wins (24:20)(O esclarecido julgamento e erro, sempre vencem)

Neste vídeo vintage (circa 1999), ABC News desafia os gênios designIDEO em redesenhar o carrinho de compras de supermercados em cinco dias. O resultado do vídeo de três partes, demonstra o poder da “liberdade” brainstorming equilibrada com o mundo real.
“O êxito do julgamento e o erro sobre o planejamento do gênio solitário”

6. John Kelly: The Many Shades of Procrastination (4:17) (As várias máscaras da Procrastinação)

O ilustrador John Kelly fala sobre todas as coisas que podemos fazer para evitar as que realmente devem ser feitas – um lembrete de como podemos ser criativos com as nossas técnicas de procrastinação.
“A procrastinação é encontrar o caminho mais difícil de fazer algo, é saltar de uma idéia para outra, para outra…”

7. Elizabeth Gilbert: Where Does Creative Genius Live? (19:32) (Onde os gênios criativos vivem?)

Em uma das palestras mais populares do TED, Elizabeth Gilbert, autora do livro “Eat Pray Love” fala como recalibrar nossas noções de “gênio criativo” para nos ajudar a prosperar, propondo que o gênio é externo – uma inspiração divina, ou preparado com muita esforço – em vez de uma manifestação de grandeza individual.
“Eu acho que permitir alguém a acreditar que ele ou ela é toda fonte divina, criativa, incognoscível, eterno mistério, é muita responsabilidade.”

8. Daniel Pink: The Surprising Truth About What Motivates Us (10:48) (A surpreendente verdade sobre o que nos motiva)

Os sistemas de recompensas tradicionais – dinheiro, elogios, tempo de férias – são menos eficazes para motivar os pensadores criativos do que imaginamos. Nesta palestra ilustrada, o autor Daniel Pink revela o segredo surpreendente provocando o grande trabalho criativo.
“Três fatores levam a um melhor desempenho e satisfação pessoal: autonomia, domínio e finalidade.”

9. Steve Jobs: Live Each Day As If It Were Your Last (14:34) (Viva cada dia como se fosse o último)

Steve Jobs da Apple fala como deixou a faculdade, sua demissão e seu diagnóstico de câncer – três momentos de grande adversidade da sua vida.
“Você não consegue conectar os fatos olhando para a frente, você só pode conectá-los olhando para trás. Você tem que confiar em alguma coisa – seu destino, sua vida, seu carma, qualquer coisa.”

10. Mast Brothers Chocolate: Business As Personal Craft (4:16)

Mast Brothers executam uma das únicas fábricas desse tipo de “barra de chocolate” no país. Neste video do site Cool Hunting, passa nos bastidores para investigar o processo de trabalho-intensivo e a abordagem DIY.
” Este é a maneira mais fácil e depois há o caminho dos irmãos Mast.”

via 99percent
Mais informações: