Pesquisar neste blog

7 de out de 2013

Ouça o BPM POSTCAST Ep 8 - A Evolução da Gestão

ep8-MarcoGandra.png
Ouça o BPM POSTCAST Ep 8  

Marco Gandra & A Evolução da Gestão: 
Neste episódio: Prof. Marco Gandra nos leva em uma viagem pela história da gestão em nossa sociedade, desde 1700 AC até os dias de hoje. Boa Viagem!

Ouça em 
http://www.gartcapote.com/bpm-podcasts.html
ou no itunes

Grande abraço,

Marco Gandra

26 de set de 2013

DAMA Data Management Body of Knowledge (DAMA DMBOK)

Pessoal recebi uma dica fantástica do meu amigo Thiago Dolabella e compartilho com vocês:



O "corpo de conhecimento" sobre gerenciamento de dados é muito abrangente e está em constante crescimento. Guia do DAMA-DMBOK fornece uma introdução "definitiva" para gerenciamento de dados. Ele define uma visão de padrões, funções, terminologia e as melhores práticas, sem detalhar métodos e técnicas específicas. 


Guia para o Corpo de Gerenciamento de Dados de Conhecimento (DAMA-DMBOK) 2009 Quadro Funcional v.3


Escrito por mais de 120 praticantes de gerenciamento de dados, o guia DAMA® que estabelece um corpo de conhecimento em gerenciamento de dados (DMBOK®) é a mais impressionante compilação dos princípios do gerenciamento de dados e melhores práticas já montadas. Este guia oferece para o gerenciamento de dados, profissionais de TI, executivos, profissionais do conhecimento, educadores e pesquisadores uma estrutura de trabalho para gerenciar seus dados e as informações da infra-estrutura. O DMBOK® é equivalente ao PMBOK® ou BABOK®, fornecendo informações sobre Governança de Dados, Arquitetura de Dados, Desenvolvimento de Dados, Operações de banco de dados, Segurança de dados, Dados mestre e de referência, Data Warehousing e Inteligência de negócios, Gerenciamento de documentos e conteúdos, Gerenciamento de metadados, Qualidade de dados e desenvolvimento profissional. O DMBOK® faz referencia também ao dicionário de gerenciamento de dados da DAMA ( ISBN9780977140046). O DMBOK® esta disponível também em formato eletrônico (ISBN 9780977140084).
Como uma introdução oficial para o gerenciamento de dados, os objetivos do guia DMBOK® são:
  • Construir um consenso para uma aplicação, geralmente visível das funções do gerenciamento de dados;
  • Fornecer definições padrões para os usos comuns das funções do gerenciamento de dados, entregas, papéis e outras terminologias;
  • Documentar os princípios voltados para o gerenciamento de dados;
  • Apresentar uma visão geral neutra em relação a vendedores de soluções e produtos visando praticar boas práticas comuns, métodos e técnicas sabiamente adotados, e abordagens alternativas significativas;
  • Esclarecer o escopo e os limites do gerenciamento de dados;
  • Agir como uma referência que guia os leitores para recursos adicionais e para maiores entendimentos
Os editores são Mark Mosley, Editor de desenvolvimento, Michael Brackett, Editor de produção, Susan Early, Editor assistente, e Deborah Henderson (Presidente da fundação DAMA, e vice-presidente da Pesquisa e Educação da DAMA Internacional), e o posfácio por Michael Brackett.

Prefácio por John Zachman:

A publicação começou como não trivial, e necessária compilação de artigos e fatos de assuntos pouco entendidos do gerenciamento de dados orquestrados por algumas pessoas do capítulo da DAMA de Chicago. Como havia pouco material de referência de fundo sobre o assunto, foi o único na época. Cresceu para se tornar um manual pragmático dos praticantes e que certamente merece um lugar em toda pratileira dos profissionais que de alguma maneira estão envolvidos com o gerenciamento de dados.


SOBRE O AUTOR:

A DAMA Internacional é uma associação sem fins lucrativos, independente de vendedores de soluções e produtos, composta por profissionais técnicos e de negócios que se dedicam ao avanço dos conceitos e práticas para o recurso de gerenciamento de dados e a informação das organizações. O principal propósito da DAMA Internacional é promover o entendimento, o desenvolvimento, e a prática de gerenciamento de dados e informações a fim de apoiar estratégias de negócios. A DAMA Internacional tem capítulos em todo o mundo. Os membros da rede DAMA e outros profissionais compartilham ideias, tendências, problemas, e soluções. Acesse o site dama.org para maiores informações.






6 de set de 2013

Nova versão do BPM CBOK (3ª versão)

Nova versão do BPM CBOK (3ª versão) acabou de ser lançada simultaneamente em inglês e português. Por enquanto está acessível apenas aos associados da ABPMP. Foram mais de  100 CBPPs associados que trabalharam em conjunto na tradução, revisão e contribuições para a versão em português, tudo isso em aproximadamente 7 meses de trabalho. 

A nova versão está com 452 páginas (a versão 2 tinha 326 páginas), totalmente revista e atualizada.

20 de ago de 2013

Suítes de Gestão de Processos de Negócio - Aula 1/7


O programa de Pós-graduação lato sensu “Análise de Processos de Negócio” colabora para a formação do analista de processos de negócio, um profissional capaz de aplicar os seus conhecimentos para a melhoria dos processos e desempenho da organização, principalmente através do uso racional da Tecnologia da Informação para aumentar o valor do negócio. Além do analista de processo de negócio, o curso contribui para a formação das seguintes carreiras, caracterizadas por profissionais capazes de realizar a interface entre a TI e a estratégia de negócio: Analista de requisitos de sistemas, Arquitetos de Soluções Corporativas e Product Owners. Ao seu término, o participante se encontrará habilitado para:
  • Compreender e modelar processos de negócio existentes, documentando-os de forma clara, precisa e identificando problemas e oportunidades de melhoria nesses processos;

  • Conduzir iniciativas de melhoria e inovação de processos, dialogando com todos os interessados a fim de redesenhar o processo;

  • Propor formas de utilizar a TI pra ajudar a alcançar os objetivos do negócio de forma mais eficiente;

  • Utilizar os conhecimentos de arquiteturas corporativas e softwares de gestão de processos de negócio (BPM) com o objetivo de alinhar a arquitetura de sistemas de informação aos processos de negócio da organização.
Pós Graduação
Perfil do Analista de Processos de Negócios
O gráfico polar acima apresenta o perfil do analista de processos de negócio em função dos seus níveis de profundidade em áreas de conhecimento em TI. As disciplinas da Pós-graduação estão organizadas nestas áreas de conhecimento. A fim de colaborar para a formação desse perfil, o curso inclui disciplinas principalmente nas dimensões do gráfico que sãos mais marcantes, ou seja, nas áreas de gestão de processos de negócio (BPM), gestão de TI e gestão de pessoas. No total, são 19 disciplinas, totalizando uma carga horária de 380 horas, cursadas no prazo de 12 meses.
Pós Graduação

19 de ago de 2013

A Projeler informa que estão abertas as inscrições para o Curso de Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM)

O Curso destina-se a todos aqueles que desejam conhecer as boas práticas de gerenciamento de processos de negócio, visando estar envolvido com questões de análise ou desenho de processos, modelagem, gerenciamento ou controle, inovação organizacional, melhoria, transformação, atendimento a normas de conformidade e regulatórias, acreditação, otimização organizacional, programas de qualidade ou assuntos correlatos ao Gerenciamento de Processos de Negócio. Também tem o propósito de preparar o participante para o Exame de Certificação CBPP (Certified Business Process Professional).

O Curso tem uma visão abrangente e integrada das áreas de conhecimento do BPM CBOK (Guia para o Corpo Comum de Conhecimentos sobre BPM). Foi avaliado e aprovado pelo Comitê Educacional da ABPMP Brasil por estar de acordo com seus rigorosos padrões de qualidade, estando listado em seu diretório oficial de cursos.

· 10 disciplinas, 40 horas de aula e simulados com questões similares ao CBPP
· Aulas ao vivo de 20/ago a 24/out de 2013, terças e quintas, das 19:30 às 21:30
· Instrutores com sólida experiência e certificação CBPP Blue Seal
· Plataforma exclusiva de Educação a Distância (EAD), via GoToWebinar

Informações complementares estão disponíveis no folder (clique aqui), ou em site, no link abaixo :



O curso está confirmado e as vagas são limitadas.

17 de ago de 2013

BPM em Foco #1 Ano 1 – Agosto/2013 || Por um Brasil melhor

================================================
BPM em Foco #1 Ano 1 – Agosto/2013 || Por um Brasil melhor
Este Periódico é uma cortesia do Blog Marco Gandra (marco.gandra.blogspot.com)
================================================

Palestra GRATUITA, por videoconferência pela Internet, TERÇA, 20/08, 19:30h. Inscreva-se!

http://www.institutogti.com.br/palestra/abordagem-para-monitoramento-e-controle-de-grandes-projetos

Esta palestra apresenta uma abordagem para monitoramento e controle de projetos complexos, utilizando ferramentas e técnicas de BPM - Gestão de Processos de Negócio.

Palestrante

O Prof. Marco Gandra é especialista em Gestão e Tecnologia da Qualidade, com ampla experiência em projetos de Gestão de Processos de Negócio (BPM) e em docência de pós-graduação. É certificado CBPP, pela ABPMP.

---------------------------------------------------------

Muito bom ver as iniciativas que buscam desenvolver o skill em BPM nos profissionais, foi o que observei em uma agradável conversa com Maurício Bitencourt da Projeler, que está disponibilizando um curso com o propósito de preparar o participante para o Exame de Certificação CBPP (Certified Business Process Professional).

O Curso tem uma visão abrangente e integrada das áreas de conhecimento do BPM CBOK (Guia para o Corpo Comum de Conhecimentos sobre BPM). Foi avaliado e aprovado pelo Comitê Educacional da ABPMP Brasil por estar de acordo com seus rigorosos padrões de qualidade, estando listado em seu diretório oficial de cursos.

 Aulas ao vivo de 20/ago a 24/out de 2013, terças e quintas, das 19:30 às 21:30

Informações complementares estão disponíveis no folder anexo, ou em nosso site, no link abaixo :

http://www.projeler.com.br/cbpp/

---------------------------------------------------------

Você sabe o que é foco do cliente? Como diria Gart Capote em seu livro BPM para Todos, “Vá para o fim da fila e entenderá”. Bom mais que tal escutar um episódio do BPM PODCAST tradado deste assunto, conhecido também com “outside in”? Acesse o link abaixo e saiba mais sobre este assunto com a explanação do Furlan:

http://www.buzzsprout.com/13033/104100-ep-2-furlan-outside-in-e-respostas.mp3

Fonte: http://www.gartcapote.com/bpm-podcasts.html

---------------------------------------------------------

Grupos de profissionais nas redes sociais.

Analistas de BPM : http://www.linkedin.com/groups/Analistas-BPM-3948421?trk=myg_ugrp_ovr

Analistas de Processos: http://www.linkedin.com/groups/Analistas-Processos-TI-3948428?trk=myg_ugrp_ovr

Gerentes de Projetos em TI: http://www.linkedin.com/groups/Gerentes-Projetos-TI-3986354?trk=myg_ugrp_ovr

Analistas de Negócios: http://www.linkedin.com/groups/Analistas-Neg%C3%B3cios-3283526?trk=myg_ugrp_ovr

---------------------------------------------------------

Fazer a pós-graduação em Análise de Processos de Negócios do IGTI é o melhor caminho para se tornar ou se aprimorar como profissional em BPM. O curso trata de forma prática e objetiva todo o corpo de conhecimento dessa profissão. Os estudantes deste curso terão como professores, profissionais tarimbados e com grande experiência de mercado. Além de tudo isso, o curso destaca-se dentre outros, por abordar a implantação e automação de processos de negócios utilizando BPMS de uso gratuito.
Saiba mais em:

http://marcogandra.blogspot.com.br/2013/07/pos-graduacao-em-analise-de-processos.html

---------------------------------------------------------


Por agora é só pessoal, espero que tenham gostado - grande abraço do amigo Marco Gandra
marco.gandra@outlook.com

23 de jul de 2013

Pós-graduação em Análise de Processos de Negócios

Fazer a pós-graduação em Análise de Processos de Negócios do IGTI é o melhor caminho para se tornar ou se aprimorar como profissional em BPM. O curso trata de forma prática e objetiva todo o corpo de conhecimento dessa profissão. Os estudantes deste curso terão como professores, profissionais tarimbados e com grande experiência de mercado. Além de tudo isso, o curso destaca-se dentre outros, por abordar a implantação e automação de processos de negócios utilizando BPMS de uso gratuito.

Marco Gandra

Saiba mais clicando na imagem:


19 de jul de 2013

O que é o BPM CBOK?

Por: Bruno BarriosEm: http://bpmvision.blogspot.com.br/2012/05/o-que-e-o-bpm-cbok_24.html

Quem aí não gostaria de estar alinhado com os melhores conhecimentos e práticas realizadas nos projetos de BPM no mundo inteiro? Já pensou se você pudesse ter a visão de como as grandes corporações que apresentam os seus grandes casos de sucesso conseguiram chegar lá? Prazer, este é o BPM CBOK.

BPM CBOK é a sigla Business Process Management Commom Body of Knowledge que traduzido para o português é Corpo Comum de Conhecimentos em Gerenciamento de Processos de Negócio. O BPM CBOK é um documento mantido pela associação internacional ABPMP - Association of Business Process Management Professionals e contém uma visão sobre todas as fases para a realização de um projeto de BPM ideal.

Mas muitos ainda se perguntam: Para que o BPM CBOK serve? Qual o tipo de conteúdo que encontrarei nele? E qual tipo de conteúdo que não encontrarei nele?


O BPM CBOK apresenta cada fase do projeto e destrincha com detalhes cada uma delas. Apresenta quais são os perfis profissionais necessários para envolvimento em cada fase e geralmente o que acontece em cada período dentro do projeto. E leva ao leitor uma visão geral sobre os conhecimentos reunidos que várias empresas e pessoas foram adquirindo ao longo dos anos.

BPM CBOK não apresenta nenhum conteúdo sobre BPMN, ele apenas referência como sendo uma forma/notação para a modelagem dos processos. Quem gostaria de apenas de aprender mais sobre BPMN não procure o BPM CBOK. Confira a lista de livros do nosso blog pois lá existem referências muito boas para o aprendizado de BPMN.

Mesmo indo contra a opinião de algumas pessoas eu digo: 
"O BPM CBOK não é uma Bíblia, não é algo estático, não é algo que deva ser seguido sem discussões e sem aberturas para mudanças. Mas é um documento que dará sim uma visão muito boa e ampla sobre o gerenciamento de processos de negócio e firmará o conhecimento do leitor nas melhores práticas e formas de encarar cada fase do projeto." 

A melhor coisa que se pode fazer, é ler e entender o BPM CBOK e buscar adaptar o conhecimento dele de acordo com a sua realidade. Se você trabalha num escopo menor, o BPM CBOK as vezes será muito mais do que você necessita, mas com ele você pode aprender o suficiente para levar o seu projeto com excelência. 

E onde eu faço download do BPM CBOK?
Para obter acesso ao BPM CBOK é necessário associar-se à ABPMP no nível Professional. Existe também um custo anual para os associados, mas que na minha opinião, não é caro e vale a pena. Para entender mais como funciona este processo no Brasil, visitem: http://www.abpmp-br.org  . Isto fica a critério de vocês.

Apenas a título de introdução, as nove áreas de conhecimento do BPM CBOK são apresentadas na figura abaixo:

Retirado do site abpmp-br.org

Nos próximos posts estarei apresentando e aprofundando os conhecimentos sobre as nove áreas de conhecimento do BPM CBOK.



Introdução às 9 áreas de conhecimento do BPM sob a ótica do BPM CBOK (parte 2 - final)

Por: Bruno Barrios
Em: http://bpmvision.blogspot.com.br/2012/05/introducao-as-9-areas-de-conhecimento_30.html

Este artigo é a parte 2 deste estudo! O artigo Introdução às 9 áreas de conhecimento do BPM sob a ótica do BPM CBOK (parte 1) é essencial para o entendimento deste artigo! Volte lá e dê uma olhada!

Continuação:
9 áreas de conhecimento do BPM CBOK - ABPMP
  • Gerenciamento de Desempenho: Após as novas definições de como o processo irá funcionar, o seu desenho e quais são os indicadores que permitirão que o processo seja monitorado, vamos começar a gerenciar o desempenho daquele processo. Existe uma frase da administração que diz: "O que não pode ser medido não pode ser gerenciado." Agora que já possuímos as métricas dos processos, vamos acompanhá-los e ver se realmente tais objetivos estão sendo atingidos nos prazos estabelecidos, com a qualidade ideal e com o nível de satisfação aceitável.

    Apesar desta ser uma área de conhecimento abordada separadamente pelo BPM CBOK, a definição dos indicadores de desempenho geralmente ocorre junto com o desenho dos processos. Pois um processo que não possui seus indicadores de sucesso, é um processo perdido.
  • Transformação de Processos:  Então já estamos gerenciando nossos processos e percebemos que alguns estão ultrapassando os objetivos enquanto outros não estão atingindo os objetivos definidos. O que fazer neste caso? Se o processo não atinge os objetivos pré-estabelecidos ou os objetivos estão fora da realidade ou o processo está com problemas e precisa ser transformado/reestruturado. E se alguma legislação muda e aquele processo precisa mudar? Em cada caso será necessário transformar o processo, tanto na manutenção quanto na evolução!

    Está área de conhecimento apresenta algumas metodologias para a transformação planejada dos processo afim de que, após monitorados, eles sejam transformados conforme a necessidade. Mas a transformações deve ser embasada em alguma metodologia de melhoria para que os processos continuem ou passem a refletir a estratégia da empresa.
  • Organização de Processos:  Mas será que qualquer organização pode agora passar a implementar projetos BPM? Será que qualquer estrutura organizacional pode suportar esta nova cultura? Não! Para tirar o melhor proveito e realmente passar a gerenciar os processos da organização, é necessário quebrar algumas culturas, formas de pensar e de agir dentro da organização! São necessárias as criações de alguns comitês de gestores de processos e alguns cargos diferenciados dentro da organização como: Dono do processo, Analistas de processos, Arquitetos de processos, etc.

    Esta área de conhecimento apresenta como é uma organização que realiza o seu trabalho com o foco em processos e descreve como é sua estrutura, gerenciamento e organização a partir de seus processos que realizam interações com o cliente final.
  • Gerenciamento de Processos Corporativos:  Como cada participante do processo pode buscar os objetivos corporativos quando eles não conhecem quais são estes objetivos? Como a organização vai garantir que sua visão está sendo atendida se não há quem preste contas sobre determinado processo? Sem a visão disseminada na organização e o apontamento de responsáveis à prestação de contas de certas atividades é quase que impossível que a organização atinja os objetivos pretendidos.

    Nesta área de conhecimento é apresentada a forma de governança necessária para que toda a organização esteja alinhada, ou seja: Executivos sabem o que funcionários executam e funcionários sabem o que os executivos almejam alcançar. Para ser criada toda a sinergia na organização é necessária a comunicação e a governança de seus processos de uma maneira prática e transparente.
     
  • Tecnologias de Gerenciamento de Processos:  Não que seja absolutamente necessária a implantação de sistemas informatizados para monitoria mas a adoção dessas ferramentas de uma forma alinhada com as estratégias e objetivos do negócio realmente fazem a diferença no gerenciamento dos processos. Os BPMSs - Business Process Management Systems ou traduzindo para Sistemas de Gerenciamento de Processos de Negócio são softwares capazes de retratar os processos das organizações de forma organizada e gerenciável.

    Mas cuidado! Não adianta sair automatizando qualquer processo dentro de uma organização e achar que estará reduzindo os seus custos! Se um processo mal elaborado e desalinhado com os objetivos principais da organização for automatizado, o resultado que você terá é um processo ruim realizado mais rapidamente, ou seja, acabará realizando mais vezes um processo que não contribui para a sua organização. É necessário ficar atento a isto!


Estas fases são bem definidas teoricamente, mas no dia a dia dos projetos é possível que algumas aconteçam paralelamente às outras, o que não é recomendado pelo CBOK nem por mim. Por mais que você tenha estudado o BPM CBOK e entenda a importância de viver cada fase de uma vez, as pessoas envolvidas no projeto que não tem este tipo de conhecimento estarão sempre "pulando etapas" ou tentando! Cabe a você, o Analista de Processos, buscar segurar um pouco os ânimos e nortear as pessoas no caminho recomendado. Mas isto é relativo ao grau de maturidade do ambiente onde se está trabalhando. Conforme comentado antes, o BPM CBOK não deve ser tratado como regras a serem seguidas rigidamente, mas sim como um grande auxiliador e norteador dos direcionamentos do projeto.


Aproveite e curta nossa fan page no facebook para ficar por dentro!
Bruno Barrios
BPMVision


Introdução às 9 áreas de conhecimento do BPM sob a ótica do BPM CBOK (parte 1)

Por: Bruno Barrios
Em: http://bpmvision.blogspot.com.br/2012/05/introducao-as-9-areas-de-conhecimento.html

Dando continuidade ao artigo "O que é o BPM CBOK?", iniciaremos aqui o nosso estudo sobre as 9 áreas de conhecimento que o BPM CBOK cobre. Se você ainda não sabe o que é o BPM CBOK, é muito importante que você dê uma olhada no artigo O que é o BPM CBOK? para entender melhor sobre o que estamos falando aqui! Siga o link e depois volte para cá!

Como esta é apenas uma introdução básica sobre cada área, a medida que os artigos aprofundados forem sendo publicados eu irei colocar seus respectivos links neste artigo.

Segundo o BPM CBOK, um projeto de BPM é dividido em 9 áreas:

9 áreas de conhecimento do BPM CBOK - ABPMP



  • Gerenciamento de Processos: Esta área de conhecimento apresenta alguns conceitos que fundamentam um projeto BPM. Tratará de questões para equalizar o conhecimento e os termos do projeto. Aqui são definidas questões como: O que é BPM? O que é negócio? O que é processo? Quantos e quais são os tipos de processos existentes?.

    Com esta área de conhecimento é criada uma interface de comunicação entre os projetos, onde a maioria(100% seria um sonho) pode começar a falar a mesma língua no que tange um projeto BPM. Aqui também é deixado claro a seriedade que um projeto deve ser levado para que seja efetivo além de mostrar que BPM não é um sistema informatizado e sim uma disciplina.
  • Modelagem de Processos: Se você ainda pensa que modelagem de processos é apenas ficar desenhando os processos com caixinhas, está um tanto equivocado! Apesar dessa visão ainda ser um tanto comum, a área de modelagem de processos apresenta conhecimentos para realizar levantamentos de fluxos de processos, estratégias de modelagem de processos, definição de indicadores de desempenho e regras de negócio do processo.

    A descoberta e modelagem do processo deve ser realizada a deixar transparente a situação atual do processo pois a partir desta modelagem é que o processo poderá ser analisado e melhorado. Esta área de conhecimento apresenta que existem alguns conceitos muito importantes na hora em que está sendo realizada a modelagem do processo.
  • Análise de Processos: Então quer dizer que modelamos o processo, mas e aí? De que serve um mapa de processos se não trouxer resultados ao processo? Com a modelagem do processo realizada está na hora de partirmos para a fase de análise do processo! É o momento de encontrarmos gargalos, falhas, exceções não previstas, informações ambíguas, momentos onde o processo trava por falta de informação e várias outras questões. Será que o processo está realmente atendendo o negócio?

    Na área de conhecimento Análise de Processos são apresentadas técnicas e atividades para realizar uma análise sobre o processo atual, afim de expor suas deficiências e suas vantagens na sua execução. As conclusões geradas por esta etapa é que nortearão as próximas atividades para se pensar no processo como ele deve ser no futuro.
  • Desenho de Processos:  Depois que possuímos uma visão clara do que está acontecendo no processo atual, quais os gargalos encontrados, quais os pontos falhos e se ele está atendendo os objetivos que a empresa persegue poderemos agora começar a pensar sobre como seria o processo ideal dada as condições atuais do escopo do projeto. Aqui serão levantadas as melhorias para o processo, o que o deixaria mais lucrativo, mais rápido ou mais gerenciável por exemplo.

    Esta é uma das áreas de conhecimento que geralmente os envolvidos mais gostam e se identificam pois é o momento de colocar as idéias para fluir! Propor as melhorias, encontrar soluções mais eficientes e transformar o processo em um processo ideal. É uma parte desafiadora onde os problemas estão expostos e necessitam de uma solução que se adeque também aos objetivos principais do negócio.
Continua no próximo artigo!

14 de jul de 2013

Livro Grátis: BPM para Todos

Bom, se você ainda não leu o livro “BPM Para Todos”, não perca mais tempo. Para fazer o download, vá em https://www.facebook.com/gartcapotebpm clique no botão AMARELO “Ganhe um livro de BPM agora” e siga a seta.


Neste trabalho, tive a grande alegria de ser um dos revisores técnicos, atividade que foi muito enriquecedora.



Lançado em março de 2012, com uma linguagem clara e objetiva, esta nova obra foi criada para explicar e desmistificar o tema Gerenciamento de Processos de Negócio | BPM. Ele tem Visão Geral, Abrangente, Objetiva e Esclarecedora sobre Gerenciamento de Processos de Negócio | BPM. O livro “BPM Para Todos” foi pensado e escrito como uma ferramenta para ajudar a desmistificar o tema Gerenciamento de Processos de Negócio em nosso país. Além de tratar do assunto com clareza e simplicidade, esta obra tem a declarada pretensão de esclarecer conceitos, apoiar praticantes e reorientar especialistas. Portanto, seja você um iniciante ou um expert em Gerenciamento de Processos de Negócio, certamente, além de apoiar suas ações, “BPM Para Todos” irá tocar suas convicções, seus medos e seus anseios. “BPM Para Todos” é uma ferramenta de sensibilização!



Boa leitura e grande abraço!

20 de jun de 2013

Guia para Certificação BPM pela OMG

Por: Fernando Palma
Em: http://www.portalgsti.com.br/2012/07/certificacao-bpmn-pela-omg.html


Guia completo e material certificação OCEB disponível para download

BPMN logo
BPMN logo
Olá amigos do Portal GSTI! Preparei um guia para obtenção da certificação Expert em BPM pela OMG (ou certificação OCEB - OMG Certified Expert in BPM). Nesta publicação, vou apresentar o básico do conteúdo deste exame, abordando também a importância e como candidatar-se. Espero que seja útil!

O que é BPM ?

A sigla BPM significa Business Process Management, ou Gestão de Processos de Negócio. Segundo o BPM CBOK* é uma abordagem disciplinada para identificar, desenhar, executar, documentar, medir, monitorar, controlar e melhorar processos automatizados ou não, para alcançar os resultados pretendidos consistentes e alinhados com as metas estratégicas de uma organização.
_______________________________________________________________________
* CBOK é um livro guia para o BPM, criado pela ABPMP (Association of Business Process Management Professionals).

O que é BPMN?

BPMN signifca Business Process Modeling Notation, ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio. Trata-se uma notação do BPM para definir padrões para práticas usadas em desenho de processos. O padrão foi criado para facilitar entendimento sobre o processo que está sendo modelado, de forma que possa ser compreendido tanto pela área de TI como Negócio da organização: uma linguagem em comum. BPD (Business Process Diagram) ou Diagrama de Processo de Negócio deve ser um modelo único, e pode ser entendido como um mapeamento de processo por diagramas, semelhante ao conhecido fluxograma, mas com complexidade maior. O BPD pode ser utilizado por ferramentas para automatizar o processo de negócio, sem a necessidade de codificar aplicações. 
Acesse aqui um material de introdução a BPMN e conheça como um processo é modelado. Este material cobre cerca de 30% dos requisitos da certificação.
Veja aqui exemplos de diagramas de processo de negócio com a notação BPMN

Sobre a certificação OCEB

A certificação OMG Certified Expert in BPM foi desenvolvida em parceria com a UML Technology Institute (UTI)O esquema de certificação abrange os seguintes níveis:
  • Nível Fundamental;
  • Níveis Intermediários: um nível intermediário com a visão técnica e outro com a visão de negócio;
  • Nível avançado: também possui duas provas, com as mesmas características do nível intermediário.
A importância da certificação BPMN
A Notação de BPM surgiu como proposta de uma nova linguagem padrão de documentação de processos de negócio, que pudesse ser compreendida tanto pelo próprio negócio da organização como pelo departamento de tecnologia. A própria UTI (UML Technology Institute) participa de sua estrutura e divulgação, considerando que esta é a tendência para a automação de processos de negócios. Além de se tratar linguagem de fácil compreensão (quando comparada a UML), a notação em BPM agrega uma característica fundamental que a torna diferenciada: ela pode ser interpretada por ferramentas de BPMS*, gerando sistemas automaticamente sem a necessidade de codificar. Tais ferramentas ainda contam com funcionalidades para monitorar os sistemas durante todo o ciclo de vida do processo.

Partindo deste pressuposto de que o padrão seria uma nova solução para automatizar os processos de negócio, fica clara a importância deste conhecimento para profissionais de tecnologia, sobretudo os envolvidos com análise e desenvolvimento de sistemas. 
_______________________________________________________________________
*Business Process Management System (BPMS): se refere aos sistemas de gestão de processos de negócio. Pode-se definir um BPMS como uma categoria de software que visa atender o ciclo completo da Gestão de Processos, que inclui redesenho, modelagem, implementação, monitoramento e otimização de processos (Fonte: CBOK).
Veja aqui uma lista de ferramentas BPMS open source.

Como me inscrever para a certificação OCEB?

Você deve fazer o cadastro no site da VUE. Selecione a organização Object Management Group (OMG) e procure o centro acreditado mais próximo: existem centros em quase todos os estados brasileiros. A prova está disponível apenas em inglês e dispões de 90 questões. O candidato deve responder corretamente pelo menos 65% delas para ser aprovado. O exame é realizado online e o resultado sai no mesmo instante que o candidato conclui as questões. 

Como estudar para a certificação OCEB?

A melhor maneira de estudar por conta própria é acessado este material oficial que cobre todos os requisitos do exame (em inglês). Veja aqui uma tradução do material acima (não oficial).

Em breve, pretendemos oferecer o curso oficial online em nossa loja virtual
    Onde ler mais sobre BPM e BPMN?

    14 de jun de 2013

    Material do Treinamento em BPMS - SYDLE SEED


     Documento preparado e cedido pela Sydle:


    Processo proposto
    Relembrando a descrição do processo mostrado durante o treinamento

    Um colaborador solicita a compra de materiais; Seu gerente aprova a solicitação da compra;
    O Administrativo realiza 3 cotações;
    O Solicitante avalia as cotações e escolhe um fornecedor; O Administrativo faz a compra;
    O Financeiro efetua o pagamento;
    O Solicitante recebe o material;

    Veja o Tutorial

    10 de jun de 2013

    Livro em PDF gratuito do KOLBAN - IBM BPM

    Dica de: Guilherme Arantes
    Em: http://www.neilkolban.com/IBM/


    I am an IBM employee who focuses on the IBM Business Process Manager and related products. Over time, I have built and collected information related to the use of this product which I have found to be of value to users, potential users and fellow IBMers. This page presents access to my personal notes, links and other related items that I feel may be of value.
    Although I am an IBM employee, please note that any words, concepts or content may not necessarily represent the views of IBM. In addition, there are definetly inaccuracies in my content and thoughts. As such please use this information for what it is, an attempt to share information on IBM's BPM products from my mind to yours.
    Enjoy!!

    Kolban's Book on IBM BPM

    As I learn an IBM product, I take copious notes and jot down thoughts. I have bundled these together into book format and now make it available as a PDF document available for download. The book is released once a month (normally on the 1st day of the month) so it is a good idea to bookmark this page and check back regularly.
    May

    Other Links


    Feedback

    Feedback is very welcome on the material contained in the book. I'd like to ask that users post to the DeveloperWorks forum as opposed to emailing me directly. The thread covering the book can be found here:
    For questions not related to the book, please post these to the IBM DeveloperWorks forum dedicated to IBM BPM.

    Modelando seus processos de negócio com o IBM WebSphere Lombardi Edition, Parte 6: Usando KPIs e relatórios para monitoramento e análise de desempenho

    Por:Xi Ning Wang
    Em: http://www.ibm.com/developerworks/br/websphere/library/techarticles/1112_wang2/

    A Parte 1 desta série forneceu uma visão geral dos recursos e arquitetura do WebSphere Lombardi V7.1 (a partir de agora chamado de Lombardi). Na Parte 2 você aprendeu como usar os recursos mais comuns do Lombardi, incluindo a definição de processo de negócios (BPD), integração e serviços humanos e de regra para modelar o processo de amostra. Na Parte 3 você aprendeu como usar alguns recursos avançados do Lombardi para atender aos requisitos mais complexos, incluindo processos aninhados, marcos, mecanismos de evento, manipulação de exceção e exposição dos serviços da web. A Parte 4abordou como usar o Lombardi Coaches para desenvolver serviços humanos. Na Parte 5, você aprendeu sobre os recursos avançados do Coach, como a ligação de dados dinâmicos e o mecanismo de renderização no tempo de execução, além de como customizar o Coach.
    Na Parte 6, você aprenderá como usar KPIs e os relatórios para monitorar e analisar o desempenho. Os dados rastreados e armazenados pelo Lombardi para KPIs permitem que você analise o desempenho e crie acordos de nível de serviço (SLAs). Ao executar instâncias de uma BPD, o Lombardi rastreia e armazena dados dos KPIs configurados no Performance Data Warehouse. O Lombardi usa os dados armazenados de KPI para executar algumas análises históricas no Optimizer.
    É possível importar e descompactar o arquivo de exportação do Lombardi fornecido na seção Downloads para analisar rapidamente todo o cenário de KPI, SLA e relatórios.
    Esta seção descreve alguns dos principais conceitos com os quais você deve estar familiarizado antes de continuar a ler este artigo.
    Uma métrica é um portador de informações, normalmente uma medição de desempenho dos negócios. Uma métrica pode ser usada sozinha, ou em conjunto com outras métricas, para definir o cálculo de um KPI, que mede o desempenho com base em um objetivo de negócio. Entre os exemplos de métricas estão: a duração de trabalho de um processo, o nome do usuário atribuído, o tempo de resposta de um fornecedor e o custo da etapa de avaliação de risco em um processo de seguro. Como unidade de medida, a métrica é frequentemente expressa como uma quantidade, tempo ou valor.
    Uma KPI é uma métrica essencial para indicar o progresso rumo a uma meta ou para indicar uma situação positiva ou negativa. KPIs são medições significativas usadas para rastrear o desempenho com base em objetivos de negócio. Um KPI tem um alvo ou intervalos (ou ambos), para medir o aprimoramento ou deterioração do desempenho de uma atividade fundamental para o negócio. KPIs são diferentes dependendo do negócio e de seus objetivos.
    KPIs são baseados em objetivos de negócio. O objetivo de negócio é uma meta de alto nível que pode ser quantificada, medida e orientada aos resultados. Um objetivo se transforma em um KPI que permite que a organização meça um aspecto do processo com base em uma meta definida.
    Geralmente, um KPI descreve as medições rastreadas pelo Lombardi no tempo de execução do processo, armazenando os resultados que podem ser usados para analisar o desempenho do processo e da tarefa no Optimizer. O WebSphere Lombardi V7.1 inclui os seguintes tipos de KPIs:
    • KPIs padrão
    Os KPIs padrão residem no kit de ferramentas do Lombardi System Data. Por padrão, a maioria dos KPIs é associada a cada atividade adicionada a um diagrama de BPD. Clique na opção de KPIs nas propriedades de uma atividade para visualizar os KPIs associados. Cada um desses KPIs possuem configurações padrão que podem ser alteradas.
    • KPIs customizados
    É possível desenvolver KPIs customizados para as métricas, a fim de medir o desempenho das atividades.
    Um acordo de nível de serviço (SLA) é parte de um contrato de serviço na qual o nível do serviço é formalmente definido. Na prática, um SLA é um contrato que exige métricas para atender metas específicas em um determinado intervalo de tempo. É um comprometimento com a conclusão de uma tarefa em um intervalo de tempo específico.
    É possível criar SLAs com base em KPIs padrão ou customizados. Os SLAs permitem que você estabeleça uma condição para uma ou mais atividades que acionam uma consequência. Por exemplo, é possível criar um SLA que faz com que o Lombardi envie uma notificação por email quando a execução de uma atividade específica demora mais do que o esperado.
    Ao executar instâncias de seus processos, as consequências de SLA não são acionadas até que a atividade associada seja iniciada ou concluída. Por exemplo, se você configurar um SLA para enviar uma notificação por email quando uma atividade específica demora mais do que dois dias para ser executada, o Lombardi não enviará a notificação no momento em que a violação ocorrer. Em vez disso, ele enviará a notificação quando a atividade for concluída. Dessa forma, se a atividade demorar três dias para ser concluída, o Lombardi enviará a notificação após esse período, informando aos usuários sobre a violação. Os SLAs permitem que você relate as violações de uma forma simples, além de entender a tendência das violações com o passar do tempo.
    Em geral, os dados do KPI possuem duas origens diferentes: uma tem base nos dados de negócio, como informações existentes sobre o status da ordem, a outra são os dados básicos adicionais especificamente para o cálculo do KPI, como o horário de emissão e o horário efetivo da ordem. É usada uma página de interface com o usuário do KPI para exibir os dados, normalmente em formatos diferentes, como gráficos de setores, histogramas e outros.
    A amostra de processo de ordem de compra usada nesta série utiliza os seguintes KPIs para ilustrar como é possível desenvolver e reportar KPIs customizados e páginas de interface com o usuário.
    No cenário da ordem de compra, o KPI de tempo de processamento da ordem é usado para analisar o tempo médio de processamento de cada ordem. Para calcular o tempo médio de processamento de cada ordem de compra, os dois campos a seguir são obrigatórios:
    • Order Creation Time
    • Order Delivery Time
    Para criar o KPI customizado de tempo de processamento da ordem, siga as etapas a seguir:
    1. Inicie o Lombardi Authoring Environment e abra o aplicativo de processo desenvolvido nas partes anteriores desta série.
    2. Clique no sinal de adição (+) ao lado da categoria Rules e selecione Key Performance Indicator na lista.
    3. Na caixa de diálogo New Key Performance Indicator, especifique um nome descritivo para o novo KPI, como Order Processing Time KPIe clique em Finish.
    4. Na seção Details da caixa de diálogo, selecione Time como a Unit do KPI, como mostra a Figura 1.
    5. Clique em Select para escolher um KPI a fim de subir a unidade selecionada para um KPI de nível superior.
    6. Especifique o valor para multiplicação da unidade que você está rastreando, antes de os dados serem coletados no KPI acumulado.

    Figura 1. Crie um KPI de tempo de processamento da ordem
     
    Um envio da ordem pode ter as seguintes origens:
    • Order Submission by UI - envio da ordem usando uma interface com o usuário baseada na web.
    • Order Submission by ERP - envio da ordem a partir do sistema ERP externo.
    Execute as etapas em Create an Order Processing Time KPI para um KPI de recurso de envio da ordem.
    Verifique se os KPIs recém-criados estão listados nos tipos de KPI, clicando na categoria Performance , como mostra a Figura 2.

    Figura 2. Tipos de KPI de desempenho
     
    No Lombardi, os requisitos de rastreamento são chamados de definições, pois estabelecem um esquema de banco de dados no Performance Data Warehouse para acomodar os dados rastreados, gerados pelo Process Server. As definições precisam ser enviadas ao Performance Data Warehouse quando você fizer qualquer alteração em seus requisitos de rastreamento no Lombardi Designer.
    Para criar relatórios customizados e de terceiros no Lombardi V7.1, é necessário identificar os dados que devem ser rastreados e enviá-los ao Performance Data Warehouse. O Lombardi fornece dois métodos de rastreamento: rastreamento automático e grupos de rastreamento.
    Quando você usa o rastreamento automático para controlar os dados, os seguintes KPIs são rastreados:
    • KPIs customizados associados a sua BPD
    • KPIs customizados associados às atividades em sua BPD
    • O KPI de tempo total associado a cada BPD por padrão
    Os tipos de dados suportados são String, Integer, Decimal, Boolean e Date.
    Se você deseja controlar explicitamente seus dados rastreados e pontos de rastreamento para obter relatórios customizados mais avançados, use os grupos de rastreamento para controlar os dados. Por exemplo, é possível agrupar por tipo as variáveis que você deseja controlar, colocar pontos de rastreamento de forma estratégica em sua BPD e variáveis de rastreamento em diversas BPDs. Com os grupos de rastreamento, seus pontos também podem envolver diversas BPDs.
    Os tipos de dados suportados são String, Number e Date.
    Se você deseja criar relatórios para analisar a quantidade de tempo decorrida entre determinadas etapas de seu processo, adicione os pontos de rastreamento a sua BPD e crie um intervalo de sincronização para capturar a duração entre um ponto de partida e um ponto de término. Ao usar os intervalos de sincronização, é necessário rastrear automaticamente as variáveis do processo que você deseja capturar e criar um grupo de rastreamento que contenha os dados do intervalo de sincronização.
    As opções de relatório do Lombardi fornecem uma maneira poderosa de coletar, publicar e consumir informações sobre o desempenho do processo. Elas permitem que você defina com facilidade os dados que o ajudarão a analisar o desempenho do processo, configure os componentes do produto para coletar esses dados e crie os relatórios que consomem os dados coletados sobre o desempenho do processo.
    O Lombardi fornece os seguintes recursos de relatório:
    • Quadros de pontuação originais: os quadros de pontuação originais fornecidos pelo Lombardi podem ajudá-lo a analisar o desempenho pessoal, o desempenho da equipe, o desempenho do processo de negócio e as violações de SLA com o mínimo de configuração. Os quadros de pontuação padrão estão disponíveis por padrão no Lombardi Process Portal.
    • Relatórios personalizados: os relatórios personalizados permitem que você analise os dados de negócio específicos de seus processos. É possível definir as variáveis para rastrear e criar relatórios personalizados a fim de consultar seus dados rastreados no Lombardi Designer. É possível visualizar os quadros de pontuação do relatório resultante no Lombardi Process Portal ou em qualquer navegador.
    • Ferramenta de relatório de terceiros: o Lombardi fornece recursos para suportar uma ferramenta de relatório de terceiros, como o Cognos, a fim de consultar e visualizar o Lombardi Performance Data Warehouse e os dados extraídos.
    Após o envio das definições de rastreamento para o Performance Data Warehouse a partir do Lombardi Authoring Environment e o início da execução de instâncias de seu processo, o Performance Data Warehouse recupera os dados rastreados do Process Center Server ou do Process Server em intervalos regulares. Como mostra a Figura 3, os relatórios funcionam com o Lombardi da seguinte maneira:
    1. Na visualização do Lombardi Designer, defina as variáveis que você deseja rastrear e envie as definições de rastreamento ao Performance Data Warehouse. O Performance Data Warehouse cria uma tabela de banco de dados para armazenar os dados rastreados.
    2. Execute instâncias de seus processos no Process Center Server ou em um Process Server no ambiente de tempo de execução.
    3. O Performance Data Warehouse recupera os dados rastreados para cada variável a partir do Process Center Server ou Process Server em intervalos regulares.
      Quando um participante do processo acessa uma tarefa que faz parte do processo ou um sistema envolvido no processo gera um evento, o Process Server cria os dados rastreados. Os dados rastreados podem incluir valores de tempo de execução para os campos em um Grupo de rastreamento, valores para um Intervalo de sincronização ou variáveis cujos valores são rastreados automaticamente. O Process Server grava os dados rastreados no banco de dados do Process Server.
      O Performance Data Warehouse pesquisa no banco de dados do Process Server em intervalos configuráveis, verificando a existência de um lote de dados pronto para ser transferido. Em uma única transação, o Performance Data Warehouse marca os dados no banco de dados do Process Server como transferidos (bloqueando-os para impedir quaisquer atualizações adicionais), carrega os dados do banco de dados do Process Server para o banco de dados do Performance Data Warehouse e exclui os registros de transferência do banco de dados do Process Server.
    4. Crie relatórios no Designer que consultam o Performance Data Warehouse para recuperar os dados necessários.
    5. Os relatórios definidos no Designer são exibidos como quadros de pontuação no Lombardi Process Portal ou em um portal customizado. Também é possível consultar o Performance Data Warehouse a partir de ferramentas de terceiros, como o Cognos, para criar relatórios mais específicos.

    Figura 3. Processo de relatório do Lombardi 
     
    As seções a seguir explicam como ativar os recursos de rastreamento automático a fim de rastrear dados e gerar um relatório customizado da origem de envio da ordem usando o assistente Ad-Hoc.
    1. Para usar o rastreamento automático, abra o diagrama de BPD na visualização Designer. Clique no pool e certifique-se de que Enable Autotracking esteja marcado, como mostra a Figura 4. Quando o rastreamento automático está ativado para uma BPD, os dados de quaisquer processos aninhados dessa BPD também são rastreados. Subprocessos e serviços herdam a configuração do processo pai. Mude o nome padrão do rastreamento automático paraPurchaseOrderProcessTG.

      Figura 4. Ative o rastreamento automático

    2. Se você quiser analisar os dados do processo de acordo com valores de variável de negócio específicos, acesse a guiaVariables de sua BPD e clique com o botão direito do mouse em cada variável que você deseja rastrear, como orderID,status ou orderSubmissionSource e selecione Track this Variable, como mostra a Figura 5.

      Figura 5. Selecionar variáveis para rastreamento

    3. Salve a BPD e envie os requisitos de rastreamento recém-definidos para o Performance Data Warehouse selecionandoFile => Send Definitions to Performance Data Warehouse. Em seguida, você pode acessar o banco de dados do Performance Data Warehouse no Process Center e verificar se uma visualização PurchaseOrderProcessTG foi criada e inclui uma coluna para cada variável rastreada, como mostra a Figura 6.

      Figura 6. Verificar as variáveis na visualização PurchaseOrderProcessTG 

    4. O assistente Ad-Hoc na visualização Designer permite que você gere e publique rapidamente os relatórios. Usando os dados rastreados automaticamente com o assistente, é possível criar facilmente relatórios customizados a fim de analisar os diversos aspectos de seu negócio.
      Na visualização Designer, abra o diagrama da BPD selecionando File => Ad-Hoc Report Analysis a partir do menu principal. Escolha as configurações que deseja para o relatório no assistente. Por exemplo, como mostra a Figura 7, selecione a variável orderSubmissionSource para X-axis binding e a variável orderId para Y-axis binding com a função COUNT (#), pois queremos mostrar a soma para cada tipo de ordem de compra. Mantenha o layout de gráfico padrão (Stock Bar Chart) e clique no ícone Refresh no lado superior direito para visualizar o gráfico no assistente.


      Figura 7. Relatório Ad-Hoc 

    5. Quando estiver satisfeito com a aparência e os dados do gráfico, clique no ícone Create Report no lado superior direito. Na caixa de diálogo Create Report, especifique Order Submission Source como o nome do relatório e clique emFinish.
    6. Para criar um quadro de pontuação para exibição do relatório no Process Portal, clique no sinal de adição (+) ao lado da categoria Performance na biblioteca e selecione Scoreboard na lista de componentes.
    7. Na caixa de diálogo New Scoreboard, especifique Order Submission Source como o nome do quadro de pontuação, mantenha a configuração padrão de layout (Default Scoreboard Layout) e clique em Finish.
    8. No novo quadro de pontuação, em Reports, clique em Add, encontre o relatório e clique para adicioná-lo ao quadro de pontuação.
      Em Layout, marque Enabled e especifique um título para o quadro de pontuação, como Order Submission Source. Clique em Select próximo à opção Exposed to e selecione o grupo de participantes cujos membros podem visualizar esse quadro de pontuação no Process Portal, como mostra a Figura 8.


      Figura 8. Especificar as opções do quadro de pontuação

    Agora, ao efetuar o login no Lombardi Process Portal como membro do grupo de participantes ao qual o quadro de pontuação é exposto, é possível ver o título do Quadro de pontuação (Order Submission Source) em My Scoreboards no lado esquerdo do portal. Ao clicar no título, o Process Portal exibe o relatório, como mostra a Figura 9 abaixo.

    Figura 9. Quadro de pontuação resultante 
     
    Nesta seção, você aprenderá a usar o assistente Ad-Hoc para aproveitar os dados capturados por meio dos grupos de rastreamento, de modo que você possa comparar a duração de um conjunto de tarefas para diferentes variáveis de processo.
    1. Para calcular o tempo de processamento de cada ordem de compra, adicione os pontos de rastreamento Submit eCompleted ao diagrama de BPD, como mostra a Figura 10.

      Figura 10. Adicionar pontos de rastreamento

    2. Crie um grupo de rastreamento para armazenar os dados do intervalo de sincronização. Na biblioteca da visualização Designer, clique no sinal de adição ao lado da categoria Performance e selecione Tracking Group na lista de componentes. Para nossa amostra, especifique OrderProcessingTimeTG como o nome do grupo de rastreamento recém-criado e clique em Finish.
    3. Selecione o ícone para cada ponto de rastreamento no diagrama de BPD, selecione a opção Implementation nas propriedades, selecione o grupo de rastreamento OrderProcessingTimeTG e especifique os campos rastreados, como mostra a Figura 11.

      Figura 11. Especificar os campos rastreados

    4. Agora, é necessário criar o intervalo de sincronização. Na biblioteca do Designer, clique no sinal de adição ao lado da categoria Performance e selecione Timing Interval na lista de componentes. EspecifiqueOrder_Processing_Timing_Interval como o nome do intervalo de sincronização recém-criado e clique em Finish.
    5. Abra o intervalo de sincronização (Order_Processing_Timing_Interval) e adicione os pontos de rastreamento inicial e final, como mostra a Figura 12. Selecionar o ponto de rastreamento Submit para Start Points do intervalo com Calculate from earliest point e o ponto de rastreamento Completed para End Points do intervalo com Calculate from latest point, conforme exibido na Figura 12.

      Figura 12. Configurar o intervalo de sincronização de processamento da ordem

    6. Execute as etapas em Crie um relatório customizado simples para criar um relatório, selecionando a variávelOrderProcessingTimeTG.supplier para X-axis binding e a variável Order_Processing_Timing_Interval.duration para Y-axis binding com a função AVG (average), uma vez que você deseja mostrar o tempo médio de processamento para cada ordem de compra por fornecedor.
    7. Após a conclusão da criação do relatório e o quadro de pontuação, efetue login no Lombardi Process Portal como membro do grupo de participantes ao qual o quadro de pontuação é exposto. Você deverá ver o quadro de pontuação Order Processing Time em My Scoreboards. Clique nele para exibir o relatório Order Processing Time, como mostra a Figura 13.

      Figura 13. Relatório Order Processing Time 

    Neste documento, você aprendeu a usar os KPIs e relatórios do WebSphere Lombardi para monitoramento e análise de desempenho. As opções de relatório do Lombardi fornecem uma maneira poderosa de coletar, publicar e consumir informações sobre o desempenho do processo. Especificamente, o Lombardi permite que você defina com facilidade os dados que o ajudarão a analisar o desempenho do processo, configure os componentes do produto para coletar esses dados e crie os relatórios que consomem os dados coletados sobre o desempenho do processo.

    Download
    DescriçãoNomeTamanhoMétodo de download
    Purchase Order Process filePurchaseOrderProcess_v6.zip466KBHTTP

    Xi Ning Wang photo
    Xi Ning Wang é engenheiro de equipe de software e líder de desenvolvimento de infraestrutura em nuvem, IBM SOA Advanced Technologies, IBM Software Group. Ele já projetou e desenvolveu tecnologias de SOA e soluções em projetos importantes. Atualmente, está focado nas áreas de computação em nuvem e solução de segmento de mercado. Ele foi designado como um autor contribuinte para o IBM developerWorks em 2009.